Loading...

Al Berto


Votos de UtilizadoresVotos de UtilizadoresVotos de UtilizadoresVotos de UtilizadoresVotos de Utilizadores
Com 1 voto(s). Registe-se para votar.
1948 - 1997

Biografia

Alberto Raposo Pidwell Tavares nasce em Coimbra a 11 de Janeiro de 1948. No ano seguinte já está em Sines, onde passa parte da infância e adolescência. Poucos conhecem o seu lado escultórico, mas os amigos de infância ainda recordam os "bonecos" em argila que esculpia em casa, muito antes da António Arroio. Teve sempre um ar extremamente irreverente para o seu tempo. Filho de família da alta burguesia de origem britânica extraordinariamente conservadora, na sua adolescência, traja de modo displicente de calças de ganga e ténis rotos. para escândalo geral. Terá sido a primeira afirmação da sua diferença intelectual. Al Berto frequentou diversos cursos de artes plásticas. em Portugal e em Bruxelas. onde se exilou em 1967. A partir de 1971 dedicou-se exclusivamente à literatura.
 
Estreou-se com o título «À Procura do Vento num Jardim d'Agosto». 1977. A sua poesia retomou, de algum modo, a herança surrealista, fundindo o real e o imaginário. Está presente, frequentemente, uma particular atenção ao quotidiano como lugar de objectos e de pessoas, de passagem e de permanência, de ligação entre um tempo histórico e um tempo individual. Posteriormente, os seus textos passam a apresentar um carácter fragmentário. numa ambiguidade entre a poesia e a prosa («Lunário». 1988; e «O Anjo Mudo». 1993). Foi distinguido em 1988 com Prémio Pen Club de Poesia pela obra «O Medo».
"A eternidade é uma permanência da força que está dentro de nós"
"Todos os meus livros tiveram um carácter de urgência", disse Al Berto ao jornal "Expresso" um mês antes de falecer. Aterrador foi ter-me apercebido o que havia neste livro de premonitório («Horto de Incêndio»). A eternidade não é lerem-me dentro de 50 ou 60 anos ou ficar na história da literatura portuguesa. "Só espero que meia dúzia de doidos me leiam agora e isso os toque.
"Sinto-me como se tivesse cegado por excesso de olhar o mundo". em «O Medo»

Al Berto morre de linfoma em Lisboa a 13 de Junho de 1997.

Livros escritos por Al Berto

Diários (2013)

Lunário (2012)

Dispersos (2007)

Apresentação da Noite (2006)

Me, Myself and I (2005)

Vigílias (2004)

Horto De Incêndio (1997)

Luminoso Afogado (1995)

O Anjo Mudo (1993)

Canto do Amigo Morto (1991)

A Secreta Vida Das Imagens (1991)

O Livro dos Regressos (1989)

O Medo (1987)

Uma Existência de Papel (1985)

Três Cartas da Memória das Índias (1985)

Salsugem (1984)

A Seguir O Deserto (1984)

O Último Habitante. Lisboa (1983)

Trabalhos do Olhar (1982)

Meu Fruto De Morder. Todas As Horas (1980)

À Procura Do Vento Num Jardim d'Agosto (1977)

Poemas escritos por Al Berto

A Invisibilidade de Deus

Corpo

Cromo

Foram Breves e Medonhas as Noites de Amor

Mais Nada se Move em Cima do Papel

Ofício de Amar

Os Amigos

Pernoitas em Mim

Recado

Sabes por vezes queria beijar-te

Se um Dia a Juventude Voltasse

Visita-me Enquanto não Envelheço

Vídeos de Al Berto



Comentários

Precisa de se registar para aceder aos comentários.

Voltar

Top 10 de vendas

Novidades

Questão

Qual a secção do Portal da Literatura de que mais gosta?

Livros 43.31 %
Poesia 17.83 %
Também Escrevo 14.65 %
Escritores 11.46 %
Pensamentos 4.46 %
Adivinhas 2.55 %
Editoras 2.55 %
Provérbios 1.91 %
Vídeos 1.27 %

157 voto(s) até ao momento

Para poder votar é necessário estar registado no Portal da Literatura.
Registe-se

Este website contém 2779 autores e 6792 obras.