Loading...

Crítica Literária por Miguel Real


HOMENAGEM A FERNÃO MENDES PINTO NOS 400 ANOS DA PUBLICAÇÃO DE “PEREGRINAÇÃO”

2015-01-05

INTERPRETAÇÕES DE PEREGRINAÇÃO: João David Pinto Correia, António José Saraiva e Rebecca Catz

João David Pinto Correia, num brilhante texto que opera a convergência de diversas leituras de Peregrinação, de Fernão Mendes Pinto, apresenta esta obra como uma “tessitura textual muito complexa”, uma sorte de “confluência de várias espécies de discursos que se cruzam e se fundem numa vasta ordenação” dominada pelas categorias de “discurso narrativo” e discurso “autobiográfico” 1.

Neste sentido, e tendo em conta a dominância daqueles dois tipos de discurso, evidenciar-se-ia no texto de Fernão Mendes Pinto uma espécie de síntese de múltiplas categorias discursivas, do cruzamento e fusão das quais nasce justamente o texto literário: o discurso histórico ou historiográfico, o descritivo, o oratório, o dramático, o poético, de timbre lírico, o litúrgico e o epistolar 2.

Assim, enquanto texto autobiográfico e narrativo e devido ao seu tema principal (a vida do autor-narrador nas longínquas paragens do Extremo Oriente), Peregrinação entronca no vasto acervo da Literatura de Viagem escrita no século XVI: “um itinerário, ou uma relação de viagem, em que se apontaria, etapa por etapa, o conhecimento de lugares e populações” estranhas à mentalidade europeia 3, cujo título indicia uma espécie de provação existencial individual por terras incógnitas e exóticas de um “pecador peregrino”, uma sorte de “romagem de devoção”, na qual e pela qual o sofrimento vivido limparia os erros e pecados do autor-narrador 4.

Deste modo, João David Pinto Correia chama a atenção para o facto de Peregrinação não se constituir apenas como uma enumeração de factos (reais ou ficcionais), mas de apresentar igualmente “marcas de literariedade” 5 que testemunham estarmos de facto perante uma obra literária, apresentando “uma tensão entre um discurso coloquial (…) sem grandes pretensões estéticas, por um lado, e, por outro, um discurso literário, já narrativamente adequado ao suspense da narrativa e ao exotismo das descrições, já poeticamente organizado, de um barroquismo metafórico, ou então obediente aos cânones literários do classicismo” 6.

António José Saraiva, na introdução que escreveu para a edição de Peregrinação em quatro volumes da Editora Sá da Costa em 1961 7, realça ser o herói da narrativa um anti-herói ou um herói pícaro de timbre positivo, já que, com os lamentos do “coitado de mim”, suscitando o espírito sarcástico, coexistem “lágrimas e enternecimentos” 8. Peregrinação estatuir-se-ia, assim, como expressão do esboroamento social e da decadência histórica da mentalidade feudal senhorial e cavaleiresca, activados por grupos soltos de mercadores portugueses não controlados pelo vice-reinado da Índia, mercadores que actuavam com o fito exclusivo de enriquecimento.

Segundo António José Saraiva, o autor, enquanto herói do seu livro, “tem a franqueza de nos declarar que a sua única preocupação é fazer fortuna. Conta as suas necessidades, misérias, fugas e os seus ataques de medo: «as carnes tremiam-me», diz frequentemente. Para salvar a vida é capaz não só de fugir, mas até de se rojar no pó, de caluniar o amigo, de beijar os pés do assassino” 9; “desta forma, o herói principal de Peregrinação, como escravo, como miserável, como bobo, oferece-se ao riso dos leitores. É justamente um anti-herói, irmão de Sancho Pança. Não tem sombra de orgulho, de brio, de preceito. A noção de «honra» é-lhe inteiramente desconhecida. Dir-se-ia que o nosso Fernão Mendes Pinto quis apresentar o contraste, o avesso dos heróis empertigados de Camões e João de Barros, Este carácter do herói central é, porventura, a chave [de leitura] de Peregrinação e explica-nos numerosos episódios deste livro que de outra forma são incompreensíveis” 10.

Rebecca Catz, embora concorde quanto à natureza satírica de Peregrinação, tem, porém, sobre este livro, uma leitura muito diferenciada da de António José Saraiva.

Com efeito, esta autora critica de um modo muito sólido a vertente picaresca atribuída por António José Saraiva ao livro de Fernão Mendes Pinto, já que o facto de um texto ser autobiográfico, desenhar uma espécie de anti-herói, evidenciar episódios de miséria social e de cinismo narrativo não caracteriza necessariamente o texto de pícaro 11, embora seja comum à maioria dos textos satíricos.

Concordando que Peregrinação possui elementos pícaros avulsos, ou episódios em que o pícaro é dominante, a autora entende que o discurso dominante no texto possui as características da sátira. Escreve Rebecca Catz: “Sátira é, quanto a nós, retórica moral, e o seu propósito o de reformar [a sociedade, os costumes]. Ao mesmo tempo que critica males [descrevendo-os, narrando-os de um modo exemplar], estabelece o modelo positivo e aponta inexoravelmente o caminho para normas de moral elevada” 12. E acrescenta, na Peregrinação “anda o diabo à solta; mas trata-se de um universo [social e literário] em que crime é um pecado contra Deus e o pecador ou se arrepende ou tem de responder perante Ele. Isto é, em nosso entender, o que o afasta do picaresco, um género literário isento de qualquer padrão moral normativo” 13.

Rebecca Catz critica igualmente a teoria sócio económica de António José Saraiva relativa à origem histórica do pícaro como “filho de uma ordem social agonizante, nutrido no solo espanhol, onde as suas energias [de origem cavaleiresca, fidalga, senhorial] se viam restringidas pelos valores de um sistema feudal já ultrapassado” 14, mormente transplantado para o ambiente social exógeno da Índia portuguesa e do Extremo Oriente. A autora considera forçada a extrapolação ou transplantação do pícaro, de origem eminentemente espanhola, para terras, ambientes e costumes radicalmente diferentes.

Em “Para uma compreensão de Peregrinação” (1989), Rebecca Catz regista ser este texto “uma obra de profunda filosofia moral e religiosa. A tese da obra, expressa simplesmente, é o pecado e o castigo. O impulso satírico que está nela patente é dirigido contra a ideologia de cruzada, que foi a maior força unificadora da história de Portugal. É isso, precisamente, que separa Fernão Mendes Pinto dos seus contemporâneos – porque só ele, no desabrochar da era do imperialismo europeu, teve a grande coragem, o discernimento e a perspicácia de pôr em dúvida a moralidade das conquistas ultramarinas, as quais condena como actos de bárbara pirataria, em ofensa a Deus” 15.

Por via do conceito retórico de “persona” (capacidade pela qual o autor literal ou histórico assume diversas vozes e/ou personagens), Rebecca Catz suplanta a visão picaresca de Peregrinação de António José Saraiva.

Assim, por via deste conceito, o autor-narrador do livro assume uma quádrupla dimensão:

  1. – a de voz moral, homem basicamente virtuoso e generoso;

  2. – a de voz ingénua, como ser inocente, de coração simples, que suscita piedade;

  3. – a de voz heróica, capaz de desafiar e vencer o mal;

  4. – finalmente, a de voz pícara, a “que revela a tolice e a patifaria dos outros dissimulando uma aprovação, pela participação nele, do mal que deseja condenar” 16.


Miguel Real,

31 de Dezembro de 2014


1 João David Pinto Correia, Autobiografia e Aventura na Literatura de Viagens. A Peregrinação de Fernão Mendes Pinto, Lisboa, Seara Nova / Editorial Comunicação, 1979, p. 51.

2 Idem, ibidem, pp. 53 – 54.

3 Idem, ibidem, p. 26

4 Idem, ibidem, p. 25.

5 Idem, ibidem, p. 77.

6 Idem, ibidem, p. 77. (FALTA MARIA ALZIRA SEIXO)

7 Cf. igualmente António José Saraiva, “Fernão Mendes Pinto e o romance picaresco”, in Para a História da Cultura em Portugal [1961], Lisboa, Europa – América, 1972, 3ª edição, pp. 117 – 136.

8 António José Saraiva, “Prefácio” a Fernão Mendes Ponto, Peregrinação e Outras Obras, Lisboa, Sá da Costa, 1961, 1º vol., p. XLIV.

9 Idem, ibidem, pp. XXII – XXIII.

10 Idem, ibidem, p. XXVI.

11 Rebecca Catz, A Sátira Social de Fernão Mendes Pinto. Análise Crítica de Peregrinação, Lisboa Prelo Editora, 1978, pp. 94 – 95.

12 Idem, ibidem, p. 95.

13 Idem, ibidem, p. 15.

14 Idem, ibidem, p. 95.

15 Rebecca Catz, “Para uma compreensão de Peregrinação”, in Fernão Mendes Pinto, Peregrinação & Cartas, Lisboa, Edições Afrodite, 1989, p. 1033.

16 Idem, ibidem, p. 1033.

Mais críticas literárias

Voltar

Top 10 de vendas

Novidades

Questão

Qual a secção do Portal da Literatura de que mais gosta?

Livros 43.31 %
Poesia 17.83 %
Também Escrevo 14.65 %
Escritores 11.46 %
Pensamentos 4.46 %
Adivinhas 2.55 %
Editoras 2.55 %
Provérbios 1.91 %
Vídeos 1.27 %

157 voto(s) até ao momento

Para poder votar é necessário estar registado no Portal da Literatura.
Registe-se

Este website contém 2779 autores e 6792 obras.