Loading...

O Som e a Fúria


Votos de UtilizadoresVotos de UtilizadoresVotos de UtilizadoresVotos de UtilizadoresVotos de Utilizadores
Seja o primeiro a votar, clique na pontuação que deseja atribuír. Registe-se para votar.

Sinopse

O Som e a Fúria é a tragédia da família Compson, apresentando algumas das personagens mais memoráveis da literatura: a bela e rebelde Caddy, Benjy, o filho varão, o assombrado e neurótico Quentin; Jason, o cínico brutal, e Dilsey, o criado negro. Com as suas vidas fragmentadas e atormentadas pela história e pela herança, as suas vozes e ações enredam-se para criar o que é, sem dúvida, a obra-prima de Faulkner e um dos maiores romances do século XX. William Faulkner afirmou muitas vezes que O Som e a Fúria era o romance mais próximo do seu coração porque era o que lhe tinha causado mais sofrimento e angústia a escrever. Neste magnífico romance, publicado pela primeira vez em 1929, Faulkner criou a «menina dos seus olhos», a bela e trágica Caddy Compson, cuja história nos conta através dos monólogos separados dos seus três irmãos: Benjy, o idiota; Quentin, o suicida neurótico; e o monstruoso Jason.

O Som e a Fúria é o seu quarto romance e a primeira das suas obrasprimas indiscutíveis, aquela que, mais do que qualquer outra, confirmou Faulkner como figura central da literatura do século

Críticas ao livro "O Som e a Fúria"

Fonte: Público - Colecção Mil Folhas

"O Som e a Fúria", de William Faulkner, é um dos mais revolucionários romances do século XX, comparável à "Recherche", de Proust, ou ao "Ulisses", de Joyce. É a história da decadência de uma família do Sul dos Estados Unidos, ou talvez "a tragédia de duas mulheres perdidas", como afirmou o próprio autor. Mas é também, sobretudo, a invenção de uma nova e poderosa linguagem.

Muito anos após ter escrito "O Som e a Fúria", William Faulkner afirmou, numa entrevista, que o livro nascera de uma imagem: uma rapariguinha empoleirada numa pereira, com as cuecas sujas, olhando a morte - mais precisamente, um funeral -, enquanto os seus irmãos, menos temerários, esperavam por ela no solo. Verdade seja dita, antes desta versão, já contara várias outras. Mas terá gostado da ideia de ver nas cuecas inocentemente encardidas de uma criança a antecipação simbólica da promiscuidade adolescente de Caddy Compson, que é, de algum modo, a personagem central de "O Som e a Fúria".

O romance narra o inexorável declínio de uma família da velha aristocracia sulista, os Compson, desde os últimos anos do século XIX até 1928. O livro foi publicado em 1929 e só muito mais tarde, em 1946, é que o autor lhe acrescentou o seu actual apêndice, no qual fornece alguns breves lampejos da história da família em datas anteriores e posteriores a este período. Na interminável bibliografia crítica que a obra suscitou, um dos raríssimos pontos de consenso é mesmo este: Faulkner retrata a decadência de um clã familiar outrora orgulhoso dos seus pergaminhos.

O que não quer dizer que seja necessariamente esse o tema central do livro. Alguns sublinham a importância de motivos como a honra e o pecado, outros vêem na saga dos Compson uma ilustração da condição humana, um ser arremessado ao tempo e que procura, em vão, um ponto de referência capaz de dar algum sentido à caótica contingência que é existir. Para o próprio Faulkner, trata-se da "tragédia de duas mulheres perdidas, Caddy e a sua filha".

Neste e noutros romances do autor, pressente-se a ideia de que o passado é, como o futuro, meramente potencial, algo que só adquire realidade quando o encarnamos no presente, quando pesa sobre o que somos e dita o que pensamos e fazemos. Talvez esta seja uma chave possível para explicar a peculiar estratégia discursiva a que Faulkner recorre em "O Som e a Fúria".

Nas três primeiras secções, narradas sucessivamente pelos três irmãos Compson - o primeiro é um atrasado mental de 33 anos, idade na qual já se quis ver uma alusão a Cristo -, os bruscos e dilatados saltos no tempo são uma constante. Mas se o passado só existe enquanto actualização no presente, como o romancista parece sugerir, o conceito de cronologia deixa de fazer sentido.

Revolucionar a ficção contemporânea

Outro juízo mais ou menos partilhado pela crítica é o de que Faulkner procurou escrever de acordo com o fluxo natural do pensamento das suas personagens, uma técnica a que os anglo-saxónicos chamam "stream of consciousness". E tudo leva a crer, de resto, que a própria produção do romance obedeceu a um processo semelhante. Não se encontraram no espólio do escritor quaisquer apontamentos relativos ao livro, à excepção de uma folha onde Faulkner rabiscou uma sucinta estrutura cronológica de alguns dos principais acontecimentos narrados em "O Som e a Fúria". Aparentemente, nunca existiu nada de parecido com um plano prévio da composição geral do romance.

André Bleikasten, professor de Literatura Americana na Universidade de Estrasburgo e um dos mais reputados especialistas contemporâneos na obra de Faulkner, não tem dúvidas em o colocar no reduzido cânone dos autores que revolucionaram a ficção contemporânea, a par de Proust, Joyce, Beckett e poucos mais. E acredita que só Kafka se lhe compara "nessa espécie de densidade imaginativa, que nenhum outro autor do século XX logrou atingir". Um dos motivos que, ainda segundo Bleikasten, os torna a ambos narradores profundamente intrigantes, é o facto de as suas histórias serem tão misteriosamente simples que, de algum modo, não chegam a fazer sentido. Mas, conclui, enquanto os leitores de Kafka são assaltados, logo nas primeiras páginas, por um mundo que está para além do entendimento e no qual nenhum homem poderá alguma vez sentir-se em casa, já para os leitores de um romance de Faulkner esta é uma constatação que só lhes ocorre após terem acabado o livro, quando "todo o som e toda a fúria já se esgotaram".

A propósito do título que escolheu para o livro, Faulkner afirmou que este lhe "surgira do inconsciente" e que, embora tivesse tido a noção de que se tratava de um passo de "Macbeth", não lhe ocorreu, na altura, que o resto da frase se adaptava igualmente bem à sua história. A ser verdade, é extraordinário, já que não se poderia exigir um resumo mais pertinente deste romance do que o que fornece a citação integral: "A tale told by an idiot, full of sound and fury, signifying nothing" ("uma história contada por um idiota, cheia de som e fúria, sem sentido algum").

Fonte: Livros Sem Critério

O Som e a Fúria (1929), opus magnus de William Faulkner, é um dos mais geniais volumes da literatura do século XX. Distingue-se não apenas pelo enredo da narrativa (declínio da aristocracia sulista dos EUA, racismo, ambição) mas pelo modo como é narrada. Como os europeus James Joyce e Virginia Woolf, Faulkner adopta um estilo narrativo conhecido como stream of consciousness, o fluxo de consciência que tenta reproduzir a actividade mental do narrador. Em O Som e a Fúria, este fluxo não é apenas um artifício estilístico mas antes uma peça importante no quebra-cabeças, um dado suplementar para a compreensão da trama.
Dividido em quatro partes, cada uma com um narrador diferente (sendo a última a única com uma sequência narrativa quase comum), O Som e a Fúria encerra em si a decadência de uma família aristocrata sulista, os Compsons, na cidade ficcional de Jefferson, no também ficcional condado de Yoknapatawpha. Jason Compson e Caroline Bascomb Compson têm quatro filhos: Quentin, Caddy, Jason e Benjy. Quentin, o mais inteligente, vai para Harvard depois de a família vender parte dos seus terrenos para o sustentar. Caddy tem uma vida sexual precoce e promíscua, acaba por dar à luz uma filha ilegítima e por isso é expulsa de casa pelo marido. Jason é, segundo a mãe, o único Bascomb, mesmo que tenha herdado o nome paterno; frio, calculista, ambicioso, torna-se no chefe de família, sustentando a mãe e a sobrinha. Por fim Benjamin, que nasceu com o nome de Maury em honra do irmão de Mrs. Caroline, tem uma deficiência que lhe impede o desenvolvimento mental. Com os Compsons vive uma família de criados negros, chefiados pela matriarca Dilsey – a cozinheira da casa – que assiste, não sem uma ponta de satisfação, ao declínio dos aristocratas.
Cada uma das quatro partes do livro é entregue a um narrador diferente. O primeiro é Benjy, o atrasado mental, que, sem qualquer tipo de linha cronológica, mistura as memórias da sua infância com o que vê na altura da narração. O seu pensamento é irregular, confuso, labiríntico. Benjy narra o dia em que faz trinta e três anos e, através de Lester, o criado encarregue de tratar dele em 1928, descobrimos que se comporta como uma criança de três. Benjamin não consegue comunicar a não ser através do choro. Esta primeira parte é um autêntico pesadelo para os leitores. Como diz Luís Miguel Queirós, a esta altura da narração «não fazemos ideia do que […] se está realmente a passar» algo que, como leitores orgulhosos que somos, nos custa a admitir mas que é vital para a compreensão deste livro. Enquanto leitores, devemos ainda agradecer aos bons tradutores (neste caso a Ana Maria Chaves) pela simplificação do texto, e à língua mãe a não existência de um artigo neutro. Isto porque existem dois persongens com o mesmo nome: Quentin, o irmão mais velho; e Quentin, a filha de Caddy. Embora separados no tempo, no discurso de Benjy não há qualquer distinção entre os dois. Várias vezes dei por mim a voltar atrás, perguntando-me se já não tinha visto o mesmo personagem com um pronome diferente, algo que no texto original se tornava impossível de discernir. Só quando admitimos a nossa própria incapacidade de compreensão é que nos permitimos apreciar as suaves nuances do discurso peculiar de Benjy. Percebemos então que entre este pateta e a irmã, Caddy, há uma ligação especial. Tão especial que Benjy foi capaz de reconhecer no cheiro da irmã a altura em que ela perdeu a virgindade, anúncio do seu comportamente sexual ulterior. Caddy, a verdadeira personagem central do livro – como admitiu Faulkner – é a única, com a excepção da criada Dilsey, que gosta realmente de Benjy. Essa ligação é recíproca: na infância, apenas o abraço de Caddy era capaz de acalmar Benjamin; enquanto adulto, Benjy gostava de se aproximar do campo de golfe contíguo à casa dos Compsons para ouvir os golfistas chamarem os seus caddies.
O segundo narrador é Quentin, o filho mais velho da família. Em certos aspectos, esta parte pode ainda ser menos intelígível que a primeira, apesar de o discurso ser mais coerente, mais linear e mais objectivo. É, no entanto, o discurso de um homem em estado depressivo, momentos antes de se suicidar, sucumbindo ao peso de princípios arcaicos de honra que a sua irmã, a pessoa a quem mais estava ligado, não foi capaz de cumprir. No final do capítulo já não há pontuação e a cadência lembra a de uma descida vertiginosa em espiral, espelho daquilo que Quentin vive. Na verdade, a ligação entre Quentin e Caddy é um dos aspectos mais fascinantes de toda a história. A certa altura o rapaz confessa ao pai: «Cometi incesto disse eu Pai fui eu não foi o Dalton Ames» (pág. 72) – na esperança de salvar a irmã da desonra de uma gravidez. Apesar de o incesto não ser fisicamente practicado, é inegável que a relação entre os dois irmãos é, de facto incestuosa, pelo menos afectivamente incestuosa, passando em larga escala o relacionamento normal entre irmãos. O fluxo de consciência de Quentin na sua narração é a grande pista para o seu suicídio que nunca é explicitamente declarado e apenas sugerido, embora somente na quarta parte do livro: «Ela devia pelo menos ter tido por mim a consideração suficiente para deixar um bilhete. Até o Quentin deixou» (pág. 267).
O terceiro narrador é Jason, o irmão de Caddy, Quentin e Benjy, novamente no ano do trigésimo terceiro aniversário de Benjy (a narração de Quentin havia regressado dezoito anos ao passado, no dia em que o jovem se suicida). Jason é o filho preferido de Mrs. Caroline, segundo ela o único em que corria sangue da sua família, os Bascombs. Por isso mesmo, Caroline sempre sentiu que todos os outros filhos a odiavam – apenas assim explicava a si própria o suicídio de Quentin e a promiscuidade de Caddy – e se uniam, com o pai, contra ela. Promovido a chefe de família pela morte do pai, Jason vê-se obrigado a trabalhar num armazém para conseguir sustentar uma família pela qual não sente qualquer tipo de ligação. Para além da mãe, velha, do irmão, incapacitado mentalmente, Jason tem ainda de cuidar da sobrinha Quentin, filha de Caddy. É com Quentin que mais atrito se forma, pela constante desobediência e revolta da jovem. Jason trata-a com desprezo e mão de ferro, a sobrinha vinga-se num comportamente irreflectido e promíscuo que Jason qualifica como hereditário: «Quem nasce puta morre puta, é o que eu digo» (pág. 163). O discurso de Jason é o espelho da sua personalidade (como já o era o de Benjamin e de Quentin nas partes anteriores): é claro, objectivo, racional, frio. Jason é um homem movido pela sede do dinheiro. Joga na bolsa de valores do mercado de algodão, rouba o dinheiro da mãe, rouba o dinheiro da sobrinha. É um personagem detestável, raivoso, vingativo com laivos sádicos, inflexível, cruel e hipócrita: «Só quero uma oportunidade para recuperar o meu dinheiro. E quando isso acontecer podem trazer para cá para casa os bordéis em peso e os manicómios e então podem dormir dois na minha cama e outro pode ficar com o meu lugar à mesa» (pág. 235).
A quarta parte traz o único narrador heterodiegético do livro o que, todavia, não o torna mais fiável. A narração adopta uma estrutura mais comum, o fluxo de consciência é abandonado e a visão centra-se em Dilsey, a criada negra que acompanhou o declínio trágico da família. É quase como uma visita ao backstage dos Compsons: Dilsey e a família de criados mantêm tudo a funcionar no que resta da antiga casa.
O Som e a Fúria é uma obra-prima. Os seus múltiplos narradores são a definição de unreliable narrators. Mesmo ao virar da última página o leitor fica sem saber exactamente o que acabou de ler: presenciou quatro testemunhos diferentes da mesma família e todos eles se revelaram extraordinariamente egoístas: não só porque centram a sua narrativa em si próprios (definição de família: as pessoas que estão à nossa volta) mas porque mostram um total desrespeito pelo narratário – a narrativa é fragmentária, incongruente, inconclusiva. E por isso mesmo fascinante, viciante, brilhante, genial. Os personagens apresentam um grau impressionante de complexidade psicológica, com destaque evidente para os três narradores e para Caddy que permanece um mistério sedutor. Caddy é, efectivamente, a personagem central do romance, ausente, inalcançável, desejada (por Benjy e Quentin) e odiada (por Jason). Caddy é o centro, princípio e fim dos Compsons. Como diz Disley: «Vi o começo e agora vejo o fim» (pág. 265).
Magistralmente bem escrito, O Som e a Fúria leva o stream of counsciousnessaos extremos, usa-o com destreza para acrescentar profundidade a cada um dos narradores. Carregado de uma beleza inigualável, Faulkner leva pela mão os leitores num passeio pela decadente cidade de Jefferson. É impossível descrever a prosa de Faulkner pelo simples facto de que não é uma masquatro. Cada uma das partes do livro apresenta características discursivas marcadamente distintas e magistralmente bem orquestradas.
De leitura difícil (admita-se que não é fácil passar metade do livro sem fazer ideia do que se está a ler), O Som e a Fúria é uma obra ímpar e indispensável. Por não o ter lido mais cedo, felicito-me (porque não lhe reconheceria tanta qualidade) e odeio-me (porque me privei de uma das maiores obras da literatura), certo de que será um dos livros a que voltarei como se fora a primeira vez – incauto, perdido, maravilhado.

Comentários

Precisa de se registar para aceder aos comentários.

Voltar

Top 10 de vendas

Novidades

Questão

Qual a secção do Portal da Literatura de que mais gosta?

Livros 43.31 %
Poesia 17.83 %
Também Escrevo 14.65 %
Escritores 11.46 %
Pensamentos 4.46 %
Adivinhas 2.55 %
Editoras 2.55 %
Provérbios 1.91 %
Vídeos 1.27 %

157 voto(s) até ao momento

Para poder votar é necessário estar registado no Portal da Literatura.
Registe-se

Este website contém 2779 autores e 6792 obras.