loading gif
Loading...

Raízes - Pepetela


Solidariedade

2019-07-09 08:30:00

Estavam na praia de Santos, a Lwini, de cinco anos de idade, e o avô. Ela brincava com areia e uma pá, ele com seus pensamentos de velho.

Brincadeiras para entreter o tempo.

Santos é muito mais que uma praia de São Paulo. O avô pensava, esta praia é das mais compridas que conheço dentro de uma cidade. Oito quilómetros de praia a direito, com um jardim a ligar a praia à cidade, é uma longuíssima praia. E um longuíssimo jardim. A areia é dura e cinzenta, pelo menos a larga banda que, de vez em quando, se deixa cobrir pela água da baía. Não acontece todos os dias, pois as marés normalmente são menos abrangentes. O resto, que nunca é coberto pelo mar, apresenta uma areia mais clara e solta, a de uma praia vulgar.

Uma pomba se aproximou, aos saltinhos. Percebendo a presença humana, parou e retrocedeu.

– Avô, viste o colar que ela tem?

Ele saiu de seus sonhos e olhou. O resto do gargalo de uma garrafa de plástico cobria a cabeça da pomba, abrindo para a frente. Alguém deve ter cortado o gargalo e uma parte mais larga da garrafa para algum uso. Imprevidentemente, deixou na areia em vez de atirar para o contentor do lixo. A pomba viu o pedaço de plástico e talvez no meio dele houvesse alguma semente apetitosa ou um grão de arroz. Meteu o bico para apanhar a semente e no gesto instintivo de engolir, levantou a cabeça. O gargalo escorregou-lhe pelo pescoço e ficou preso nas penas.

Uma perfeita armadilha. Por mais que ela sacudisse a cabeça, aquilo não saía. O mais-velho adivinhou o drama. E explicou para a neta:

– Vês, assim como ela está, não pode comer nem beber. O gargalo impede de chegar a qualquer coisa, o bico é muito curto.

– Percebo. Coitada.

Lwini levantou da areia, determinada.

– Vamos apanhá-la, avô. E tiramos aquilo. Senão ela morre.

Mas a pomba não os deixava aproximar. Fugia e era rápida demais para eles. Aos saltinhos e com pequenos voos desorientados. O plástico, como uma pala côncava, impedia um voo sustentado. Apenas o suficiente para deles se distanciar.

– Pára! Pára, já te disse. Não vês que te queremos ajudar?

A pomba não ia nas conversas de Lwini. Se afastava.

Lwini começou a chorar.

– Vai morrer, avô. Porque é estúpida.

– Os bichos têm medo das pessoas – disse o avô. – E normalmente com razão. Não é este o caso, mas o instinto leva-a a fugir.

Os dois estavam na tristeza da impotência, quando a cena maravilhosa aconteceu mesmo à sua frente. Veio outra pomba e com o bico arrancou o gargalo de plástico da semelhante. O pedaço perigoso saiu e a pomba se sacudiu, livre. Voou, ganhando rapidamente altura, com sofreguidão de espaço. A salvadora a seu lado.

Lwini bateu palmas. As lágrimas se misturavam a um grande sorriso.

– É bom ter amigos – disse ela, por fim.

Voltaram contentes para o sítio onde estavam antes. As pombas tinham desaparecido entre os prédios da avenida marginal de Santos.

Pepetela

Comentários


Ainda não existem comentários para este questionário.

Mais raízes

Voltar

Área de utilizador

Top 10 de vendas

Novidades

Faça o login na sua conta do Portal