Loading...

Poema e Poesia de José Régio

Amor
José Régio

O Amor e a Morte

Canção cruel 

Corpo de ânsia. 
Eu sonhei que te prostrava, 
E te enleava 
Aos meus músculos! 

Olhos de êxtase, 
Eu sonhei que em vós bebia 
Melancolia 
De há séculos! 

Boca sôfrega, 
Rosa brava 
Eu sonhei que te esfolhava 
Pétala a pétala! 

Seios rígidos, 
Eu sonhei que vos mordia 
Até que sentia 
Vómitos! 

Ventre de mármore, 
Eu sonhei que te sugava, 
E esgotava 
Como a um cálice! 

Pernas de estátua, 
Eu sonhei que vos abria, 
Na fantasia, 
Como pórticos! 

Pés de sílfide, 
Eu sonhei que vos queimava 
Na lava 
Destas mãos ávidas! 

Corpo de ânsia, 
Flor de volúpia sem lei! 
Não te apagues, sonho! mata-me 
Como eu sonhei. 

José Régio, in 'Poemas de Deus e do Diabo'

Voltar

Área de utilizador

Top 10 de vendas

Novidades

Faça o login na sua conta do Portal

Subscreva a Newsletter do Portal da Literatura

e receba os destaques e as novidades no seu e-mail.