Loading...

Poema e Poesia de José Carlos Ary dos Santos

Rosa Vermelha

Trago uma rosa vermelha
aberta dentro do peito
e já não sei se é comigo
se é contigo que me deito.

A minha rosa vermelha
mais parece uma romã
pois quando aberta de noite
não se fecha de manhã.

Trago uma rosa vermelha
na minha boca encarnada
quem me dera ser abelha
de tua boca fechada.

Trago uma rosa vermelha
não preciso de mais nada.

Pus uma rosa vermelha
na fogueira do teu rosto
mereço ser condenada
por crime de Fogo posto.

Trago uma rosa vermelha
que é minha condenação
condenada a vida Inteira
à fogueira da paixão

Tenho uma rosa vermelha
atrevida e perfumada
é uma rosa vaidosa
a minha rosa encarnada.

Trago uma rosa vermelha
não preciso de mais nada.

Voltar

Faça o login na sua conta do Portal

Subscreva a Newsletter do Portal da Literatura

e receba os destaques e as novidades no seu e-mail.