loading gif
Loading...

Poema e Poesia de Miguel Torga

Natal
Miguel Torga

Último Natal

Menino Jesus, que nasces
Quando eu morro,
E trazes a paz
Que não levo,
O poema que te devo
Desde que te aninhei
No entendimento,
E nunca te paguei
A contento
Da devoção,
Mal entoado,
Aqui te fica mais uma vez
Aos pés,
Como um tição
Apagado,
Sem calor que os aqueça.
Como ele me desobrigo e desengano:
És divino, e eu sou humano,
Não há poesia em mim que te mereça.

Voltar

Área de utilizador

Top 10 de vendas

Novidades

Faça o login na sua conta do Portal