loading gif
Loading...

Poema e Poesia de Florbela Espanca

A meu irmão 

Eu tenho lido em mim, sei-me de cor, 
Eu sei o nome ao meu estranho mal: 
Eu sei que fui a renda dum vitral, 
Que fui cipreste, caravela, dor! 

Fui tudo que no mundo há de maior: 
Fui cisne, e lírio, e águia, e catedral! 
E fui, talvez, um verso de Nerval, 
Ou, um cínico riso de Chamfort... 

Fui a heráldica flor de agrestes cardos, 
Deram as minhas mãos aroma aos nardos... 
Deu cor ao eloendro a minha boca... 

Ah! de Boabdil fui lágrima na Espanha! 
E foi de lá que eu trouxe esta ânsia estranha, 
Mágoa não sei de quê! Saudade louca! 

em "Livro de Sóror Saudade"

Voltar

Área de utilizador

Top 10 de vendas

Novidades

Faça o login na sua conta do Portal