loading gif
Loading...

Poema e Poesia de Camilo Pessanha

Mundo
Camilo Pessanha

Quem Rasgou os Meus Lençóis de Linho

Quem poluiu, quem rasgou os meus lençóis de linho, 
Onde esperei morrer, meus tão castos lençóis? 
Do meu jardim exíguo os altos girassóis 
Quem foi que os arrancou e lançou no caminho? 
Quem quebrou (que furor cruel e simiesco!) 
A mesa de eu cear, d tábua tosca de pinho? 
E me espalhou a lenha? E me entornou o vinho? 
_ Da minha vinha o vinho acidulado e fresco... 
Ó minha pobre mãe!... Não te ergas mais da cova. 
Olha a noite, olha o vento. Em ruína a casa nova... 
Dos meus ossos o lume a extinguir-se breve. 
Não venhas mais ao lar. Não vagabundes mais, 
Alma da minha mãe... Não andes mais à neve, 
De noite a mendigar às portas dos casais. 

Camilo Pessanha, in 'Clepsidra'

Voltar

Área de utilizador

Top 10 de vendas

Novidades

Faça o login na sua conta do Portal