Loading...

Poema e Poesia de Maria Teresa Horta

Desvia o mar a rota 
do calor 
e cede a areia ao peso 
desta rocha 
Que ao corpo grosso 
do sol 
do meu corpo 
abro-lhe baixo a fenda de uma porta 
e logo o ventre se curva 
e adormece 
e logo as mãos se fecham 
e encaminham 
e logo a boca rasga 
e entontece 
nos meus flancos 
a faca e a frescura 
daquilo que se abre e desfalece 
enquanto tece o espasmo o seu disfarce 
e uso do gozo 
a sua melhor parte 

Voltar

Faça o login na sua conta do Portal

Subscreva a Newsletter do Portal da Literatura

e receba os destaques e as novidades no seu e-mail.