Loading...

Poema e Poesia de Miguel Torga

Romance

Ora pois: foi tal qual como vos digo:
Minha Mãe, certo dia, pôs a questão assim:
Ou Ela, ou eu!
E ficou resolvido que no dia doze
Minha Mãe parisse,
E pariu!

Pariu e ninguém se opôs! Ninguém!
Como se fosse um feito glorioso
Parir assim alguém, tão nu, tão desgraçado!
Por mim,
Ainda disse que não!
Mas o seu Anjo da Guarda
Era forte e tenebroso...
E aquele frágil cordão
Deixou de ser o meu Pão,
O meu Vinho
E a paz eterna do meu coração
Mesquinho!...

Deixou de ser o silêncio
Delicado e agradecido
Dos meus instintos menores...
Deixou de ser o Norte daquele lago
Onde boiava o meu corpo
Sem alegria e sem dores...

Deixou de ser aquela verdadeira
E sagrada ignorância do meu nome,
Que Satanás me disse, quando disse:
- Respira e come,
Respira e come,
Animal!
(A voz de Satanás já nesse tempo
Era humana e natural...)

Deixou de ser um mundo e foi um outro.
Foi a inocência perdida
E a minha voz acordada...
Foi a fome, a peste e a guerra!
Foi a terra
Sem mais nada!

Depois,
Sem dó nem piedade a vida começou...
Minha Mãe, a tremer, analisou-me o sexo,
E, ao ver que eu era homem,
Corou...

Poesia Completa, Volume 1, Dom Quixote

Voltar

Top 10 de vendas

Novidades

Questão

Qual a secção do Portal da Literatura de que mais gosta?

Livros 46.91 %
Poesia 17.53 %
Também Escrevo 13.40 %
Escritores 10.31 %
Pensamentos 4.12 %
Adivinhas 2.58 %
Editoras 2.06 %
Provérbios 2.06 %
Vídeos 1.03 %

194 voto(s) até ao momento

Para poder votar é necessário estar registado no Portal da Literatura.
Registe-se

Este website contém 2910 autores e 7043 obras.

Subscreva a Newsletter do Portal da Literatura

E recebe os destaques e as novidades no seu email.