Loading...

Poema e Poesia de Fernando Namora

Mãe
Fernando Namora

Intervalo

Quando nasci, entre rendas e afagos egoístas, 
os rouxinóis, pela noite, namoravam a Primavera... 

Os sinos ficaram tolhidos e tristes 
Como se os meus gritos lhes pesassem na alma. 

Minha Mãe, nessa noite, 
sonhou com o aceno molhado dum lenço branco 
num dia de partida... 

Ó Terra! 
Porque não estoiraste nesse momento? 

Em 'Relevos'

Voltar

Subscreva a Newsletter do Portal da Literatura

E recebe os destaques e as novidades no seu email.