loading gif
Loading...

Poema e Poesia de António Nobre

Juventude
António Nobre

Que Aborrecido!

Meus dias de rapaz, de adolescente, 
Abrem a bocca a bocejar sombrios: 
Deslizam vagarozos, como os rios, 
Succedem-se uns aos outros, egualmente. 

Nunca desperto de manhã, contente. 
Pallido sempre com os labios frios, 
Oro, desfiando os meus rozarios pios... 
Fôra melhor dormir, eternamente! 

Mas não ter eu aspirações vivazes, 
E não ter, como têm os mais rapazes, 
Olhos boiando em sol, labio vermelho! 

Quero viver, eu sinto-o, mas não posso: 
E não sei, sendo assim, emquanto moço, 
O que serei, então, depois de velho... 

António Nobre, in 'Só'

Voltar

Área de utilizador

Top 10 de vendas

Novidades

Faça o login na sua conta do Portal