loading gif
Loading...

A Pedra ainda Espera Dar Flor - Dispersos



Sinopse

"Recolhido de quase quarenta publicações de todo o tipo, calibre e geografia, emergia pela primeira vez um imenso corpo textual de nítida proximidade com os temas recorrentes de Raul Brandão, que algumas vezes, e a considerável distância temporal, serve de base a passagens das suas Memórias, outras comenta livros da época, outras ainda, como os verbetes do Guia de Portugal, desdobra a escrita impressionista de Os Pescadores e de As Ilhas Desconhecidas, ou enfatiza todo o seu envolvimento com o teatro e desde muito cedo (1892). Ficava também em evidência a atenção central concedida a Columbano Bordallo Pinheiro e a Guerra Junqueiro (a quem, na verdade e recorde-se, Raul Brandão dedicou, respectivamente, Memórias e Os Pobres), a sua compaixão por Almeida Garrett janota, impiedosamente troçado nas gazetas e nas tertúlias, o seu fascínio por Camilo Castelo Branco, e trazia-se a primeiro plano a «História do batel Vai com Deus e da sua companha», folhetim da nossa vida piscatória publicado em 1901, claramente preanunciador de Os Pescadores, escrito duas décadas depois — e que não devia faltar, como anexo, a nenhuma edição desse livro digna do nome. As suas reportagens sobre jovens delinquentes, sem-abrigo, presos ou hospiciados de Lisboa, que Guilherme de Castilho mencionara e depois dele José Cardoso Pires, puderam pela primeira vez ser lidas nesses meus livros."

Da nota introdutória por Vasco Rosa.

Comentários


Ainda não existem comentários para este livro.

Voltar

Área de utilizador

Top 10 de vendas

Novidades

Faça o login na sua conta do Portal