loading gif
Loading...

Cátedra de Mármore

Luís Vendeirinho

2009 Roma Editora

Sinopse

Se o desígnio do romance contemporâneo é o da libertação das palavras, fiéis a uma história, para se reconstruírem sob o manto da sua intemporalidade e na estrutura que possa realçar a sua dimensão de entes indomáveis e susceptíveis de se recombinarem nos limites abertos da imaginação, ele terá porventura presidido na urdidura daquele em cuja presença se coloca o leitor. Referimo-nos obviamente ao caso particular de “Cátedra de Mármore”.
A figura omnipresente do professor Floriano Neves, cujo próprio nome remete para a personalidade ambivalente que oscila entre o despontar insistente das suas memórias de infância e a figura grotesca que o tempo delapidou acrescentando-lhe a beleza de uma natureza dormente, carrega consigo a singularidade do olhar inocente e sábio, desperta as emoções que não domina num universo em que se compete, se venera e se ama, escondendo a propensão monástica para o refúgio nos recônditos paraísos das montanhas e dedicando as suas aulas ao sabor das exortações que lhe são lançadas, frutos de acasos, de desencontros e da sua inventiva. O professor tropeça nos meandros da escola, nas figuras femininas que não procura e nas obsessões de uma infância que insiste em acompanhá-lo como tropeça na penedia selvagem de que se elevam os uivos nocturnos e sobre que irradia a luz nos momentos felizes do seu recolhimento. A sua rudeza opõe-se à delicadeza, a rotina que lhe apura o calculismo dos raciocínios contrasta com a excepção da poética que o inspira, volátil como todos os momentos de plenitude. E Floriano personifica no seu destino o cativeiro que despertam todas as interrogações para que não há respostas, a decrepitude para que os saberes não ousam ter solução, a ira que despertam as afrontas em nome do conhecimento. Herói de sempre, que se submete na sua miséria à insensatez do gáudio, ao desvario de quantos lhe roubam a superioridade como pessoa para a exibirem nos excessos patéticos de um palco efémero.
No pretexto da Academia e dos seus actores o romance imiscui-se nos bastidores em que se encena a alma humana, debruça-se sobre a própria qualidade da linguagem e abre o pano de cena em que o leitor é chamado a intervir, incitado a improvisar, a deter um papel de decisor sobre que destino haverá para aquelas palavras.
“Cátedra de Mármore” não será um romance qualquer.

Comentários


Ainda não existem comentários para este livro.

Outros livros de Luís Vendeirinho

Voltar

Área de utilizador

Top 10 de vendas

Novidades

Faça o login na sua conta do Portal