loading gif
Loading...

Notícias


Novidades de Outubro - Penguin

Na ficção destacamos regressos aguardados: Empúsio, o primeiro romance de Olga Tokarczuk após o Nobel; Revolução, o novo romance de Hugo Gonçalves; Nós, de Manuel Vilas, e Enquanto o fim não vem, de Mafalda Santos. Mas também boas estreias, como A Bíblia, de Peter Nadás, primeira obra de um dos maiores romancistas da atualidade; A Malnascida, também um primeiro romance, mas de uma jovem autora em ascensão, Beatrice Salvioni; e Felizes anos de castigo, de Fleur Jaeggy.

Na não-ficção chegam, entre outros, a publicação das memórias de Eduardo Ferro Rodrigues, Assim vejo a minha vida; o livro-ensaio O que é ser uma escritora negra hoje, de acordo comigo, de Djaimilia Pereira de Almeida; o Mensageiro das Estrelas, o novo livro do grande comunicador de astronomia Neil deGrasse Tyson; O mundo livre, de Louis Menand e a já anunciada autobiografia de Britney Spears.

Na Iguana, temos três livros protagonizados por quem tem coisas para dizer e que não podem ser caladas: O livro de Marjane Satrapi de exaltação (e revolta) por e pelas mulheres do Irão em Mulher Vida Liberdade; o Indispensável de Mafalda, do Quino, e uma preciosa enciclopédia e álbum fotográfico sobre os 40 anos do Hip Hop Tuga.

Ler mais sobre «Novidades de Outubro - Penguin»

Novidades de Outubro - Leya/D.Quixote

DOM QUIXOTE
As Outras Crónicas
António Lobo Antunes DOM QUIXOTE
Quase duas centenas de crónicas publicadas entre 2013 e 2019, na revista Visão, são uma demonstração do poder de observação que o autor tem das pessoas e dos ambientes, do entendimento do mundo e dos homens - do que pode haver de burlesco ou transcendente nas suas vidas -, das relações amorosas ou familiares, dos mistérios da vida e da morte, da literatura, das viagens, dos amigos.
No prefácio a este volume escreve Daniel Sampaio: «As outras crónicas, reunidas neste volume, são uma demonstração clara da sua criatividade e da capacidade de falar dos temas do quotidiano ao leitor comum (…). Os temas são muito variados e embora o conjunto tenha grande coerência, qualquer um de nós pode ler estas crónicas como quiser, sem se preocupar em seguir uma ordem. Como terapeuta familiar, interessaram-me sobretudo as que escreveu sobre a família, pais, irmãos, avós, tios e primos, numa extraordinária galeria de personagens inesquecíveis.»


As Cinco Mães
Serafim Rodrigo Guedes Carvalho
O que é uma família?
Foz do Douro, 1923. Nasce Maria Virgínia Landim da Silva, em casa imponente da alta burguesia. Demonstra desde criança uma personalidade vincada, a firmeza de um propósito, um sentido de missão.
Foz do Douro, 2023. O maestro Miguel Serafim, filho de Maria Virgínia, aguarda com ansiedade o reencontro com um amigo de adolescência que não vê há décadas. Abraçam-se, emocionados. Têm de preparar a celebração de um aniversário muito especial. E assim começamos a percorrer uma história que se estende por um século.
Há paixões, fé e mentiras, numa galeria de personagens inesquecíveis. Juras e traições. Segredos tão fundos e inconfessáveis que nos fazem regressar constantemente à pergunta: o que é uma família?
Em múltiplos cruzamentos entre o Porto, o Minho, a Galiza e Trás-os-Montes, o romance viaja entre o nevoeiro de um passado doloroso e a força terna da união de três amigos de infância.
Talvez a amizade seja um outro nome para família.
Talvez a amizade seja um outro nome do amor.


Libertação
Sándor Márai
DOM QUIXOTE
Cerco de Budapeste, dezembro de 1944. O Exército Vermelho encontra-se nas proximidades da cidade desde novembro e está prestes a conquistar a capital húngara.
Nos dias que antecedem o Natal, uma jovem mulher de vinte e cinco anos, Erzsébet, procura refúgio para o seu pai, um famoso cientista, astrónomo e matemático que é perseguido pela Gestapo e por militantes do Partido da Cruz Flechada devido às suas conhecidas simpatias liberais. Depois de o deixar em segurança num minúsculo esconderijo subterrâneo, Erzsébet refugia-se na cave do prédio em frente, juntamente com os habitantes desse e de outros prédios das redondezas.
Aí permanece durante as quatro semanas que durará o cerco do Exército Vermelho a Budapeste.
Nesse submundo escuro, fétido e caótico, onde as pessoas se amontoam em colchões e as tensões estão ao rubro, Erzsébet nunca deixará de acreditar que a «libertação» há de vir, que os russos chegarão em breve e que tudo irá mudar. Finalmente, nas primeiras horas do dia 19 de janeiro, o primeiro soldado soviético aparece à porta do abrigo, mas nada será como Erzsébet tinha imaginado.
Nas livrarias a 31 de Outubro

As Minhas Estúpidas Intenções
Bernardo Zanonni
As Minhas Estúpidas Intenções é a história fascinante de Archy, um macho de fuinha nascido na miséria,
mutilado ainda jovem por um acidente e vendido como escravo pela mãe a um raposo usurário chamado Solomon que, considerando-o esperto, resolve ensiná‑lo a ler a Bíblia em segredo. Este conhecimento faz de Archy um milagre da zoologia, mas também um ser estranho que acaba por não encaixar em lugar nenhum.
À medida que a vida de Archy é transformada pela
descoberta da escrita – e de uma entidade bastante
ambígua chamada Deus –, ele começa paradoxalmente a ter saudades da sua velha existência guiada pelo instinto. Mas não pode desaprender o que aprendeu, nem conciliar as suas pulsões mais selvagens com dilemas éticos ou o seu desejo de transcendência com as suas necessidades animais. Escrever sobre a sua vida e passar a outros o conhecimento é a tentativa de Archy de vingar o destino a que a mãe, afinal, o quis condenar.
Vencedor de uma série de prémios no ano da sua publicação, este é um romance de estreia a todos os títulos excecional.


Tivemos de Remover este Post
Hanna Bervoets
Kayleigh está cheia de dívidas e por isso aceita um emprego como moderadora de conteúdos de uma rede social, cujo nome está absolutamente proibida de mencionar. O seu trabalho consiste em decidir, segundo regras muito apertadas e em constante mudança, que textos, vídeos ou fotos devem ser removidos da plataforma, passando grande parte dos dias a testemunhar o pior de que a humanidade é capaz. Mas Kayleigh ganha bem, é boa no que faz, arranjou amigos entre os colegas e até se apaixonou por uma delas, pelo que, pela primeira vez na sua vida, o futuro parece sorrir-lhe. Só que, de repente, um após outro, os colegas começam a entrar em colapso e a despedir-se, quando não a abraçar as mesmas causas que supostamente deviam censurar...
Ambientado no universo tóxico das redes sociais, Tivemos de Remover este Post é uma história poderosa e absolutamente pertinente sobre quem determina hoje a nossa visão do mundo. Explorando o conceito de moralidade e a forma como este se tornou completamente fluido, destaca o poder das grandes empresas tecnológicas e a forma como controlam, direta ou indiretamente, as nossas vidas.

Dentes Brancos
Zadie Smith
Conheçam os Jones, os Iqbal e os Chalfen.
Três famílias na etapa final do Século XX, todos ingleses em vários graus e com as suas vidas interligadas a todos os níveis possíveis – pessoalmente, politicamente, historicamente, geneticamente. De raças diferentes, de religiões diferentes e de diferentes lados da nunca esquecida barreira colonial, têm uma coisa em comum: um pequeno bairro no Norte de Londres onde todo o tipo de extremismo faz parte do quotidiano e os dilemas das gerações anteriores são obsessivamente remoídos pelo presente.
Atravessando todas as desgraças do século, passadas e presentes, a Ocidente e a Oriente – terramotos, nazis, motins, guerra, apocalipse e roubo de terras – Dentes Brancos é um romance inesquecível, a um tempo épico e cómico, sobre a Inglaterra multicultural.

Ler mais sobre «Novidades de Outubro - Leya/D.Quixote»

Novidades de Outubro - D.Quixote

Novidades editoriais da Dom Quixote/Leya para o mês de Outubro.

“Sem Rasto, Desaparecidos em Portugal", de Luís Francisco e José Bento Amaro (Oficina do Livro) Maddie McCann e Rui Pedro são nomes que a opinião pública fixou, mas existem várias outras histórias que se perderam no tempo. Em Janeiro de 1990, Hélder Carriço, de 16 anos, partiu de Santo André para ir comprar uma prancha de surf a São Torpes e até hoje... Quatro anos mais tarde, Cláudia Silva e Sousa, de sete anos, eclipsou-se de uma aldeia do Minho, no curto trajecto entre casa e a escola. Sofia Oliveira era apenas uma criança de colo quando, em 2004, o pai a levou de Câmara de Lobos para parte. Mário Sousinha saiu de casa num fatídico dia de 2019 e não voltou: ninguém sabe se foi morto ou se cometeu suicídio, se teve um acidente ou quis fugir. E qual terá sido o destino de Rosiney Oliveira, logo depois de ser despedida de um restaurante? O livro reconstitui alguns dos mais enigmáticos casos de crianças, adolescentes e adultos desaparecidos em Portugal. À venda a 24 de Outubro.

“Terra Sangrenta - A Europa Entre Hitler e Estaline", de Timothy Snyder (Dom Quixote) Versão atualizada com um novo epílogo daquele que foi considerado “o mais importante livro de História dos últimos anos”. O que aconteceu nos territórios entre a Rússia de Estaline e a Alemanha de Hitler, entre Berlim e Moscovo – onde morreram 14 milhões de pessoas entre 1933 e 1944. À venda a 24 de Outubro.

"A Hora dos Lobos", de Harald Jähner (Dom Quixote) Alemanha, 1945: um país em ruínas. As cidades reduzidas a escombros e mais de metade da população deslocada. Como é que uma sociedade pode emergir deste caos?  À venda a 24 de outubro.

"A Conspiração Nazi, O Plano Secreto para Assassinar Roosevelt, Estaline e Churchill", de Brad Meltzer e Josh Mensch  (Casa das Letras) O triplo assassinato que poderia ter mudado a História. Em 1943, Franklin Roosevelt combinou um encontro frente a frente com os seus aliados Joseph Estaline e Winston Churchill em Teerão. Esta primeira reunião de sempre dos Três Grandes, iria decidir alguns dos pormenores estratégicos mais cruciais da II Guerra Mundial. No entanto, quando os nazis souberam dos planos dos líderes aliados, traçaram a sua própria estratégia secreta — assinar os três chefes de Estado. Uma história verídica repleta de salvamentos ousados, duplos e intrigas políticas. À venda a 24 de Outubro.

“Cerco ao Parlamento”, de Isabel Nery (Dom Quixote) Quando a Assembleia Constituinte e a democracia foram tomadas de assalto. Novos factos sobre as 36 horas do sequestro do parlamento nos dias 12 e 13 de novembro de 1975. À venda a 3 de Outubro.

Ler mais sobre «Novidades de Outubro - D.Quixote»

Novidades Porto Editora - Setembro

Três livros diferentes com vista ao bem-estar e desenvolvimento pessoal editados pela Albatroz, O Guia Essencial da Manifestação, O Destino das Almas e O Caminho do Zen

Jordanna Levin relembra o poder que cada pessoa tem para manifestar o seu futuro, ou seja, para criar as condições necessárias de modo a alcançar os objetivos a que se propõe. N’ O Guia Essencial da Manifestação, a autora reúne as ferramentas fundamentais a que recorre para atingir o sucesso nas mais diversas áreas da vida, inspirando os outros a seguirem o mesmo caminho.

Michael Newton, hipnoterapeuta especializado nos estudos da vida após a morte, dá continuidade aos conteúdos partilhados no livro anterior, o bestseller A Viagem das Almas, explorando com mais profundidade alguns aspetos do percurso que as almas fazem a partir do momento da morte até que voltam a habitar um novo corpo. Assim, O Destino das Almas detalha a jornada entre vidas, com foco no papel especial que cada alma desempenha na experiência terrena.

Na perspetiva de Alan Watts, a rápida evolução do pensamento ocidental, durante o século XX, criou um modo de vida frenético e caótico. Por outro lado, as sociedades do Oriente, seguidoras do Budismo e do Taoísmo, além de culturalmente produtivas, apregoam um estilo de vida mais sereno e livre. Talvez este equilíbrio seja o que mais atrai o mundo ocidental para uma vivência espiritual, seguindo a sabedoria dos orientais. No livro O Caminho do Zen, o reconhecido filósofo partilha os princípios da sabedoria budista essenciais para quem procura vencer a ansiedade, alcançar a paz e reencontrar o sentido da vida.

Título: O Destino das Almas

Autor: Michael Newton

Tradução: Marta Pinho

Coleção: Viagens da Alma

Em O Destino das Almas, o autor conduz o leitor numa exploração mais detalhada do movimento da alma no mundo dos espíritos, expandindo o conhecimento sobre o incrível sentido de ordem e planeamento que existe em benefício dos seres humanos.

Título: O Caminho do Zen

Autor: Alan Watts

Esta obra inspiradora apresenta de uma forma abrangente e acessível a filosofia e a prática do Budismo Zen, explicando os seus principais ensinamentos enquanto explora as suas implicações mais amplas para a espiritualidade e existência humana.

Alan Watts, um pioneiro na divulgação da sabedoria do Oriente no mundo ocidental, convida-o a abraçar um modo de viver que valoriza a apreensão imediata do mundo tal qual é, levando a uma transformação da compreensão de si mesmo e ajudando-o a alcançar um profundo sentido de libertação e de paz interior.

 

Ler mais sobre «Novidades Porto Editora - Setembro»

Novidades do Grupo Almedina - Setembro

Edição a 7 de Setembro:

Ø   “Média e Jornalismo em Portugal” de J.-M. Nobre-Correia (Edições Almedina):

Uma análise rigorosa e abrangente da Comunicação Social portuguesa.

Ø   “A Penúltima Bondade - Ensaio Sobre a Vida Humana” de Josep Maria Esquirol (Edições 70):

Ensaio sobre a vida humana e os seus «infinitos essenciais».

 

Edição a 14 de Setembro:

Ø   “História da Medicina - Uma Introdução Escandalosamente Breve” de Jacalyn Duffin (Edições 70):

Texto de referência para historiadores de Medicina.

Edição revista para incluir os eventos médicos mais significativos da última década.

Ø   “Fugitivos - Uma História dos Mercenários Nazis durante a Guerra Fria” de Danny Orbach (Edições 70):

A verdadeira história dos fugitivos nazis e o seu papel no pós-Segunda Guerra Mundial.

Ø   “A Zona Interdita” de Mary Borden (Minotauro):

Os horrores da Primeira Guerra Mundial na perspetiva de uma enfermeira de campanha.

Uma perspetiva íntima e poderosa dos horrores da guerra.

 

Edição a 21 de Setembro:

Ø   “Quando Tudo É Uma Arma - Um manual de campo para a guerra do século XXI” de Mark Galeotti (Edições 70):

Um guia estimulante sobre as várias formas em que a guerra é hoje travada - e sobre como nos adaptarmos a essa nova realidade.

Ø   “O Dom da Influência - Criar um impacto marcante e duradouro nas suas interações quotidianas” de Tommy Spaulding (Actual Editora):

Bestseller internacional sobre como influenciar os outros e impactar a vida de alguém para melhor.

Ø   “Neve” de John Banville (Minotauro):

«Soberbo»   The Times

«Notável»   Independent

Autor vencedor do Man Booker Prize

 

Edição a 28 de Setembro:

Ø   “A Filosofia e a Vida - Explorar as grandes questões sobre como viver” de A. C. Grayling (Edições 70):

Explora as grandes questões sobre como viver uma vida boa.

Tradução de Desidério Murcho.

Ø   “Cadernos do Cárcere - A Filosofia da Práxis Vol. 1” de Antonio Gramsci (Edições 70):

Obra essencial para a teoria política do século XX.

Um dos mais importantes intelectuais de esquerda da história.

Ø   “ O Vendedor de Tempo” de Marlene Ferraz, Cátia Vidinhas (Minotauro):

História sobre a importância de valorizar cada segundo de vida.

 

Ler mais sobre «Novidades do Grupo Almedina - Setembro»

Novidades do Grupo BertrandCírculo - Setembro

Margaret Atwood, Marco Balzano, Aquilino Ribeiro, Manuela Gonzaga, Julia Navarro, Giovannino Guareschi, Jeffrey Archer, John Grisham, James Rollins, Stephen King, Hannah Grace, Kerri Maniscalco, Michio Kaku, Edward Wilson-Lee, Tania Branigan, Paulo Teixeira Pinto, Maria Teresa Maia Gonzalez, Nuno Artur Silva, Aaron Reynolds, Beatrix Potter, Louise L. Hay, Tania García, Kate Bowler, Augusto Cury, Erik Orsenna, Valentim Alexandre, Martyn Rady, Nélida Piñon, Andrea Wulf, Anne Akrich, Simone de Beauvoir, Sérgio Godinho, Julian Barnes, Henrique Raposo, José Eduardo Agualusa, Mario Vargas Llosa, Jung Chang, Roberto Bolaño, Marta Martins Silva e Inês Meneses, entre muitos outros

Bertrand – ficção
O último trimestre do ano editorial arranca em força com uma novidade de Margaret Atwood no catálogo da Bertrand
Editora, Olho de Gato, um romance de formação magnífico no qual uma mulher revisita, através da memória, a geografia
física e humana da sua infância e juventude. Íntimo e mordaz, e subtilmente autobiográfico, Olho de Gato revela uma
escritora em permanente estado de graça. A estreia no nosso país de Marco Balzano, Eu Fico Aqui, chega em Setembro,
num romance comovente narrado pela voz de Trina, uma mulher que resiste independente e com a coragem da palavra
numa comunidade dilacerada pelo fascismo italiano e pelo nazismo alemão – e partir ou ficar é a decisão que faz de nós
aquilo que somos. Para fechar o mês, A Coleção de Arrependimentos de Clover, de Mikki Brammer, fala-nos de esperança,
amor e amizade na voz de uma heroína inesquecível. Partindo de um tema muitas vezes considerado tabu, mostra-nos que
o verdadeiro sentido da vida está nas pequenas coisas e no que fazemos para conquistar aquilo que nos faz mais felizes.
No ano em que se assinalam sessenta anos sobre a morte de Aquilino Ribeiro, a reedição de A Via Sinuosa, com prefácio
de João Barroso Soares, é uma das novas de Outubro. Primeiro romance de Aquilino, introduz-nos a personagem de Libório
Barradas – alter ego do autor durante a adolescência –, numa obra marcada pela descoberta do amor e pelo despertar
para a sexualidade. Ainda em Outubro, a Bertrand Editora publica o muito aguardado novo livro de Manuela Gonzaga, uma
das mais notáveis vozes da ficção e não-ficção narrativa portuguesa contemporânea. Abarcando a geografia do Congo, de
Portugal e do Brasil, inspirado em factos e personagens reais e alvo de profunda investigação histórica, Aqualtune – A
Princesa do Kongo é um arrebatador romance histórico cuja extraordinária galeria de personagens ilustra o complexo
xadrez sociopolítico do século XVII no estertor de um dos maiores e mais antigos reinos do continente africano. Com
pesquisa inicial de Isabel Valadão. E porque este é também o mês em que se celebra a tão aguardada noite das Bruxas, a
Bertrand Editora brinda os seus leitores com A Colher de Ouro, de Jessa Maxwell, thriller emocionante e cheio de suspense
para os fãs de mistério, num enigma repleto de voltas e reviravoltas com personagens que tão depressa nos cravariam um
punhal, como rapidamente nos preparariam o melhor dos soufflés de chocolate. Encerramos o mês com o regresso das
divertidas aventuras de dois personagens memoráveis, num dos clássicos italianos mais traduzidos de sempre: Dom Camilo
e o Seu Pequeno Mundo, de Giovannino Guareschi. Uma viagem através da leitura à planície italiana «onde não há palmo
despido de verdura», quando se celebram 75 anos da sua publicação pela primeira vez em livro.
Para novembro antecipam-se nomes incontornáveis e as autoras mais quentes do momento. Bela, de Danielle Steel,
apresenta-nos Véronique, uma supermodelo apanhada de surpresa por uma rasteira do destino, que a levará numa
inesperada aventura e alterará a sua vida para sempre. Danielle Steel, rainha da literatura romântica, ultrapassou um 2023
os mil milhões de livros vendidos em todo o mundo. A Porta dos Traidores, de Jeffrey Archer, faz regressar William
Warwick, superintendente-chefe da Scotland Yard, numa luta contra o tempo prestes a começar: vinte e quatro horas para
impedir o roubo do século. O Confronto, de John Grisham, saga familiar rica em pormenores históricos, narra a história de
dois rapazes que, após crescerem lado a lado como amigos, se veem em extremos opostos da lei quando adultos – um
outro lado do sonho americano, naquele que é um dos melhores romances de Grisham. Em Marés de Fogo, de James
Rollins, a equipa Força Sigma terá de descobrir um segredo há muito enterrado no coração do nosso planeta para impedir
que o mundo seja engolido pelo fogo. Um thriller no fundo do mar imperdível para os fãs da ciência, mistério histórico e
ação mais vanguardistas. Já no novo romance de Stephen King, Holly, regressa uma das personagens mais cativantes e
geniais do autor, particularmente querida dos leitores portugueses. Holly Gibney está determinada a descobrir a verdade
terrível por detrás de vários desaparecimentos numa cidade do Midwest americano. Por último, Hannah Grace está de
regresso com Fogo Selvagem – Wildfire para nos levar de volta a Maple Hills. Depois de uma noite louca, Aurora e Russ
terão de resistir um ao outro ou arriscar começar algo impossível de controlar. Mas conseguirão estes dois aguentar tanto
fogo!? Tal como em Quebrar o Gelo – Icebreaker, um dos livros deste verão, o novo romance da autora apresenta um duo
de protagonistas de química inegável e irresistível, mas também personagens de carne e osso e temas-tabu que todos
reconhecemos. O Reino das Temíveis, de Kerri Maniscalco, último e muito aguardado terceiro volume da série O Reino dos
Malditos» chega também em Novembro. Emilia e o Príncipe Ira são arrastados para um jogo de enganos e pecado para
resolver de uma vez por todas o assassínio de Vittoria, irmã dela, e pôr fim ao alvoroço que se instala entre bruxas,
demónios, metamorfos e as inimigas mais traiçoeiras de todas: as Temíveis.

Bertrand Editora – não-ficção
Benjamin Cunningham e Michio Kaku abrem a rentrée na área de não-ficção da Bertrand Editora. O Último Homem
Honesto, de Cunningham, revela a história verdadeira de um espião duplo na Guerra Fria. Em meados da década de 1970, a
CIA e o KGB vigiaram de perto Karel Koecher, por ambas as agências de espionagem estarem convencidas de que ele
trabalhava para o inimigo. E ambas tinham razão. Baseado em documentos tornados públicos recentemente, gravações de
interrogatórios e relatos extraordinários em primeira mão dos próprios Koechers, Cunningham reconstrói as suas vidas
duplas e o final da Guerra Fria. Supremacia Quântica, de Michio Kaku, debruça-se sobre a revolução da computação
quântica que mudará o mundo. Os computadores quânticos poderiam permitir-nos finalmente criar reatores de fusão
nuclear que criassem energias limpas e renováveis sem resíduos radioativos. Poderiam ajudar-nos a decifrar os processos
biológicos que geram fertilizantes naturais e baratos, permitindo-nos alimentar a cada vez mais numerosa população
mundial. E poderiam revelar a dobragem de proteínas que está no cerne de doenças até aqui incuráveis como o Alzheimer,
a sida e a doença de Parkinson, ajudando-nos a viver mais e melhor.
No mês de Outubro, Edward Wilson-Lee, o autor de A Torre dos Segredos – Os Mundos Paralelos de Camões e Damião de
Góis, conta-nos em O Memorial dos Livros Naufragados a extraordinária história do filho de Cristóvão Colombo, Hernando
Colón, um visionário singular dos tempos da difusão da imprensa, que em pleno século XVI tentou reunir a maior biblioteca
do mundo. Também neste mês, chega às livrarias Memória Vermelha – Viver, Lembrar e Esquecer a Revolução Cultural
Chinesa, de Tania Branigan, um retrato marcante da Revolução Cultural e de como ela molda a China de hoje. Memória
Vermelha revela quarenta anos de silêncio através das histórias raramente ouvidas de indivíduos que viveram a década de
loucura de Mao. Ainda em Outubro será publicado Portugal 8.0 – Corpo & Alma, de Paulo Teixeira Pinto, uma narrativa
muito especial dos momentos mais definidores e marcantes da história e da identidade de Portugal. O autor parte da
mística do algarismo 8, que simboliza o primeiro dia após os sete dias da Criação, que resulta na forma octogonal da
quadratura do círculo, que se encontra na base de muitas pias batismais, e que na sua posição deitada corresponde ao
Infinito e que perfaz o número de letras da palavra Portugal.

Em Novembro, chega Breve História de Portugal – A Era Contemporânea (1808-2008), de Raquel Varela e Roberto Della
Santa, uma história política, económica, social e cultural do Portugal contemporâneo, do absolutismo esclarecido de que o
Marquês de Pombal foi embaixador e agente, aos nossos dias. Também neste mês, é publicada a edição gráfica de O Infinito
num Junco, livro multipremiado e extraordinário hino ao amor pelos livros que seduziu milhões de pessoas em todo o
mundo. Este livro sobre livros, de Irene Vallejo, ganha um novo voo sob a forma de uma adaptação gráfica do ilustrador e
cartoonista Tyto Alba, cujos desenhos excecionais nos levam aos campos de batalha de Alexandre, o Grande, aos palácios de
Cleópatra, às primeiras bibliotecas ou aos scriptoria de cópias manuscritas. Por fim, é publicado A Minha Amiga Anne Frank,
de Hannah Pick-Goslar, que relata, na primeira pessoa, a história verdadeira e comovente de duas amigas separadas e
reencontradas. Em 1933, Hannah Pick-Goslar e a sua família fugiram da Alemanha nazi acabando por ir viver para
Amesterdão, onde ela estabeleceu uma estreita amizade com a sua vizinha, uma divertida jovem chamada Anne Frank. Mas,
em 1942, a vida de Hannah e Anne mudou abruptamente para sempre.

Bertrand Editora – Infantojuvenil
Setembro começa com o regresso de um livro incontornável que continua a atravessar gerações. A Lua de Joana, de Maria
Teresa Maia Gonzalez, volta às livrarias com o selo Bertrand Editora. Uma obra intemporal da autora, que interpreta
magistralmente o universo dos adolescentes neste e nos seus inúmeros títulos publicados. A Lua de Joana soma centenas
de milhares de exemplares vendidos e está traduzido em várias línguas. Segue-se Salvámos o Outono, de Joana Campos
Louçã e João Camargo, uma história que convida as crianças a alertar toda a gente que conhecem que o verão não pode
durar tanto tempo e que o outono tem de começar. Um livro que aborda o que é preciso ser feito em relação à crise
climática, explicando o tema às crianças na sua própria linguagem.
Em Outubro, é publicado Alcateia – A Minha Família e Outros Lobos, livro inédito de Maria Teresa Maia Gonzalez. Esta é a
história de um grupo de lobos, sendo que tanto na escola como na vida há lobos maus e lobos bons. Uns falam e outros
uivam. Uns zangam-se e outros protegem-se. Uns vivem isolados e outros não. Um título que é uma metáfora. Um livro que
provoca o jovem leitor - «Quem forma a tua alcateia? - e que nos faz pensar sobre o poder do sentimento de pertença.
Segue-se Como é Que os Nossos Amigos Ficam Nossos Amigos? – Teoria Universal da Amizade, de Nuno Artur Silva com
ilustrações de João Fazenda. Uma história sobre como nascem os amigos e os vários níveis de amizade; como se explica
que haja amigos mais próximos, amigos mais distantes, amigos que só estão alguns dias na nossa vida e amigos que estarão
durante toda a vida, e que não o adivinhamos. Um livro sobre porque é que a nossa vida é bem melhor com eles do que
sem eles. Como fio condutor da história, o narrador compara o universo físico (planetas, lua, estrelas) com o universo da
amizade e dá pistas sobre como reconhecer os grandes amigos. Chega ainda As Cenouras Assustadoras, de Aaron
Reynolds. Com ilustrações de Peter Brown, um artista premiado com a Medalha de Honra Caldecott, neste livro a Twilight
Zone cruza-se com um canteiro de cenouras, porque há um coelho que acha que a sua guloseima preferida anda a
persegui-lo... para dar cabo dele! Um livro que nos ensina que a vida é muito divertida e animada, até ao dia em que
ficamos demasiado gananciosos. Fechando o mês, a Peppa está de volta com mais uma aventura em Brinca com a Peppa.
O mês de novembro tem início com a publicação de O Pedrito e os Amigos, um livro de Beatrix Potter que traz ímanes para
os mais novos poderem brincar com as personagens do Mundo de Pedrito Coelho. Da célebre equipa de As Cenouras
Assustadoras, Aaron Reynolds e Peter Brown, publicamos As Cuecas Assustadoras, uma história hilariante (e apenas um
pouco assustadora) de um coelho corajoso e um par de cuecas muito estranho. De Nicola Kinnear, é publicado Eu Sou
Capaz!, uma história inspiradora. É inverno na floresta. É tempo de os esquilinhos recolherem todas as nozes, bolotas e
pinhas que esconderam durante o outono. Essa é uma tarefa da avó de Eva. Só que a avó não se sente bem... Determinada,
a Eva garante-lhe que é capaz de o fazer sozinha. Mas é uma tarefa muito difícil! Será ela capaz de a cumprir? Ou irá, por
fim, admitir que precisa de ajuda? Esta é a história perfeita para a hora de dormir... ou a qualquer momento! Por último,
chega uma das novidades mais esperadas do ano pelos mais novos. Abaixo os Palermoides! de Mr. Tan e Miss Prickly é o
sétimo volume da coleção A Incrível Adele. A Adele anda numa onda verde. Só que... verde de raiva! Os pais inscreveram-
na num campo de férias, perdido no meio da natureza, onde animais, plantas e crianças vivem em plena harmonia. Blhac!
Ela vai, mas... a mais atormentada das heroínas não se esqueceu de meter o mau humor na mala!

Temas e Debates
Setembro chega com um apelo que é também o mais belo retrato dos cursos de água do planeta. Viagem sublime ao reino
dos rios, A Terra Tem Sede, de Erik Orsenna, conta a história de trinta e três fontes de vida, das maiores às mais pequenas,
para mostrar as causas dos males que as afetam e dos desafios geoestratégicos que se prendem com as questões do clima
e da água. Das geografias em perigo, recuámos a um outro tempo, indelével do passado nacional, com No Fio da Navalha –
Portugal e a Defesa do Império (1961: Abril a Novembro), terceiro livro de Valentim Alexandre sobre a última fase do
colonialismo português, que percorre o período que se seguiu ao golpe de Estado conhecido como Abrilada. A Ciência
Nova do Universo Encantado, derradeira e magnífica obra de um dos antropólogos mais notáveis do nosso tempo,
Marshall Sahlins, encerra o mês e convoca-nos a repensar e reconfigurar radicalmente o modo como estudamos as
culturas diferentes.
E se dissermos que ele é um dos economistas mais influentes da nossa era e que eles quiseram que todos e todas, sem
exceção, conhecessem (e compreendessem) o inegável contributo de Thomas Piketty para o pensamento económico, falamos de Claire Alet e de Benjamin Adam e de uma das mais aguardadas novidades de Outubro: a versão em BD do best-
seller Capital e Ideologia, que sob a divertida e cativante forma de saga familiar, aproxima todos os públicos da importantíssima obra do economista francês. No mesmo mês, Nómadas – Povos em Movimento, Uma História por Contar acompanha a apaixonante viagem de Anthony Sattin pela crónica dos povos que ergueram os primeiros grandes monumentos de pedra, domesticaram o cavalo, lutaram com os gregos e precipitaram a queda do Império Romano – um dos protagonistas também de Uma Nova História da Europa Central – Os Reinos do Meio de Martyn Rady que, depois do sublime e aclamado Os Habsburgos, regressa com um notável trabalho de investigação sobre uma região que foi campo de batalha permanente, tanto para as ideias religiosas como para as ideias políticas. Outubro prossegue iluminado com um extraordinário debate sobre as grandes questões que teremos de enfrentar: será que a tecnologia poderá mudar quem somos? E, se puder, de que maneira o fará? A estas e outras questões responde Confronto de Ideias – Grandes Mentes, Pensamentos Diferentes, de Marcelo Gleiser, que reúne as palavras dos mais renomados cientistas, filósofos, historiadores e intelectuais – entre eles David Chalmers e António Damásio – num documento fascinante. Os Rostos Que Tenho, de Nélida Piñon, testamento literário da grande defensora da língua portuguesa, compõe-se de breves fragmentos, numa obra que se assemelha a um diário. Com 147 capítulos curtos, terá prefácio de Lídia Jorge. Em Novembro, chegam os Rebeldes Magníficos – Os Primeiros Românticos e a Invenção do Eu, esplêndida narrativa de Andrea Wulf – premiada autora do bestseller A Invenção da Natureza – sobre o notável grupo de jovens que através das suas épicas discussões, impressionantes vidas e ideais radicais, lançaram o Romantismo na cena mundial e inspiraram os maiores artistas do seu tempo. Outro rebelde magnífico (ainda que ficcional) dá nome ao título seguinte e inspira a
luminosa reflexão de José Enrique Ruiz-Domènec: O Sonho de Ulisses revela a importância do legado do Mediterrâneo na cultura mundial. E, quase a encerrar o ano, Um Mundo Imenso, trabalho do vencedor do Pulitzer Ed Yong, leva-nos numamaravilhosa viagem pela natureza e pelas radicalmente diferentes maneiras dos animais sentirem o mundo, numa combinação de reportagem de campo sobre os grandes avanços científicos e a filosofia que lhes assiste que alterará para sempre a nossa perspetiva da natureza. A Temas e Debates encerra 2023 com uma obra única. Abraão, Isaac, Jacob são personagens históricas? O êxodo do Egipto aconteceu mesmo nos moldes em que é celebrado na Bíblia? Como é que nasceu o monoteísmo bíblico? A Bíblia Tinha Mesmo Razão? As Histórias de Israel e o Israel da História, de Francisco Martins, oferece as respostas possíveis a estas e outras perguntas.

Quetzal Editores
Sexo, amor, morte, poesia e comida. Na Quetzal, estamos a preparar os melhores temas para o último trimestre do ano.
Memórias de Uma Menina Bem-Comportada, da incontornável Simone de Beauvoir, regressa em Setembro às livrarias,
numa edição cuidada que acompanha a publicação da irreverente e refrescante explosão de Anne Akrich no livro O Sexo
das Mulheres, e do inteligentíssimo romance de Julia May Jonas, Vladimir, que explora os temas do desejo e do poder.
Anne Akrich é traduzida por Telma Costa; Julia May Jonas, por Catarina Ferreira de Almeida. O mês de Setembro culmina
com a celebração dos vinte anos da publicação de Antídoto, um projeto de colaboração de José Luís Peixoto com os
Moonspell, uma novela de amor e morte constituída por pequenos contos.

Outubro soletra-se com o lirismo da Arte de Amar, de Ovídio, uma edição bilingue latim-português, na magnífica tradução
de Carlos Ascenso André. Henrique Raposo publica o seu primeiro romance, As Três Mortes de Lucas Andrade, a saga de
um suicida, uma história sobre a pobreza, o mal, a violência e a periferia: como se mantém a decência no meio do caos, da
pobreza e do mal? Sérgio Godinho leva-nos a Compiègne, no noroeste de França, e a Guimarães, no norte de Portugal,
com Vida e Morte nas Cidades Geminadas, um romance que nos mostra que a vida tem tanto de burlesco como de
enternecedor. Com Vidas e Mortes de Abel Chivukuvuku. Uma biografia, José Eduardo Agualusa conta-nos a história de
Angola, que é como quem diz, a história de um homem cujo nome, Chivukuvuku, significa «bravura». De Julian Barnes, a
Quetzal publica Amor & Etc., a sequela de Amor & C.a, lançado no início do ano. Um romance sobre o amor nos tempos
modernos: divertido, profundo e absurdo. Com tradução de Helena Cardoso. O mês termina com História de Um Deicídio,
o grande ensaio de Mario Vargas Llosa sobre a obra de Gabriel García Márquez, que é também uma declaração de amor à
literatura. Chega às livrarias com tradução de Cristina Rodriguez e Artur Guerra.
Novembro é sinónimo de grande poesia. Poesia Completa, de Horácio – outra nova e excelente tradução de Frederico
Lourenço –, reúne os textos de um dos mais importantes e brilhantes poetas da literatura latina e fica disponível em edição
bilingue, latim-português. Mao. A História Desconhecida, de Jung Chang, que resulta de mais de uma década de pesquisa e
de inúmeras entrevistas com muitos dos que privaram com Mao Tsé-Tung, tem uma nova edição. E, como ainda não
falámos de comida, é por esta altura que anunciamos a publicação de A Mercearia do Mundo, um dicionário da
globalização dos produtos alimentares, do vinho do Porto ao sushi, do ceviche ao ramen, do chili ao cuscuz, da maionese às
batatas fritas. É organizado por Pierre Singaravélou e Sylvain Venayre, e traduzido por Sandra Silva e Luísa Mellid-Franco.
De apetite desperto, seguimos para A Mesa de Deus, de Maria Lectícia Monteiro Cavalcanti, com prefácio de José
Tolentino Mendonça: um livro sobre os alimentos da Bíblia, a sua história, os seus ingredientes e o modo como se
preparava a mesa dos homens – à sombra de Deus. E, porque o ano se fecha com o melhor, concluímos com uma surpresa
monumental: a poesia de Roberto Bolaño. Carlos Vaz Marques traduz Poesia Completa, que reúne todos os poemas,
poemas em prosa, histórias em verso e outros fragmentos que dificilmente podem ser catalogados num ou noutro campo.
Um mundo interminável, belo e terrível.
Contraponto
Logo no início de Setembro, chega às livrarias Imagine Como Seria, o legado final de Ken Robinson, autor do bestseller
mundial O Elemento: como tudo se transforma quando descobrimos a nossa paixão e um dos maiores especialistas do
mundo na área da pedagogia e desenvolvimento da criatividade, e que a sua filha Kate Robinson acabaria por concluir. A
proposta é uma viagem ao futuro através das principais ideias de uma das mentes mais brilhantes do nosso tempo e
protagonista da TED Talk mais vista de sempre: «Do schools kill creativity?». Ken Robinson dedicou os últimos anos de vida
a este manifesto, que constitui uma peça fundamental para a revolução educacional que este conselheiro de empresas e
governos iniciou. É uma carta de amor ao potencial humano – uma celebração do que nós, como espécie, somos capazes
de fazer e de ser, se criarmos as condições certas.
Em Retornados, Marta Martins Silva relembra que, com o 25 de Abril, mais de 600 mil portugueses abandonaram África –
para muitos a única casa que até então tinham conhecido –, e chegaram a um Portugal que os ostracizou, perpetuando
uma sensação de abandono a quem partiu de mãos vazias. A autora dá voz a vinte e uma histórias, relatos impressionantes
que se cruzam com a análise histórica, política e social da época sobre a qual se edificou o Portugal contemporâneo. Nestes
testemunhos, cabem dias repletos de amor, dor, luta e desespero – sentimentos que parecem unir a vida no antes e no
depois do retorno –, mas também de resiliência e superação. A um mês do fim do ano, Inês Meneses volta a surpreender
com Máquina de Escrever Sentimentos. Num relato intimista, sincero, atravessa um luto e escreve-se na perda. «Demorei
uma vida a pedir um livro de reclamações. Quando o pedi, percebi que era o livro de reclamações das saudades que eu
queria. O livro onde reclamo do meu braço que ainda pega no telefone para ligar à minha mãe, da voz dela ter deixado de
se ouvir. De não ter ninguém a quem perguntar se as plantas sobrevivem ao calor. Se a dor que tenho aqui dentro não é
grave».
Arteplural
A Arteplural inicia Setembro com a habitual agenda de Paulo Coelho, Serenidade 2024, um belíssimo livro ilustrado com
agendamento semanal e separadores com frases inspiradoras do autor cheias de cor e vida que o ajudará a organizar e
apreciar o seu tempo. O livro Boas Vibrações, de Kyle Gray, publicado em Outubro, funciona como um oráculo poderoso
para ativar a sua intuição, conectar-se à sabedoria universal e atrair experiências positivas a cada dia. Cada carta que
acompanha este livro traz mensagens simples, mas transformadoras para afirmar, confirmar e iluminar o seu dia a dia. A
Vida Ama-me: Afirmações, de Louise L. Hay e Robert Holden, novidade de Novembro, é um livro de afirmações e
exercícios que plantam as sementes da transformação diária e encorajam a uma autodescoberta reveladora. Este livro vem
acompanhado de 52 cartas que contêm uma poderosa afirmação e uma mensagem inspiradora para gerar mais
positividade na sua vida. Na última novidade de Novembro, Aqui Há Gato – Um Almanaque de Factos Felinos, reúnem-se
algumas das melhores histórias (assim como 46 ilustrações originais) sobre estes animais que, como dizia Nietzsche, Deus
criou para que o ser humano pudesse acariciar o tigre.
Pergaminho
A Pergaminho publica em Setembro o livro Educar Sem Perder a Cabeça, de Tania García, que marca um antes e um depois
na forma de compreender a família e o mundo da educação, propondo uma forma de criar crianças com base no respeito e
numa compreensão real e fundada nas necessidades emocionais e de desenvolvimento das mesmas. Ainda em Setembro,
Tudo Acontece Por Uma Razão, de Kate Bowler, oferece uma reflexão profunda e cheia de humor sobre a mortalidade, a
positividade tóxica, a natureza da fé e da esperança, e sobre a legitimidade de mandar a um certo sítio pessoas que dizem
lugares-comuns a quem está a sofrer.
Damos as boas-vindas a Outubro com Os Seus Superpoderes, de Joseph Murphy, onde o autor ensina como explorar as
nossas capacidades e o nosso potencial em pleno. O único limite que existe, garante o autor, é aquele que impomos a nós
mesmos, através dos nossos pensamentos. As Cinco Carências, de Lise Bourbeau, novidade de Outubro, destina-se a todas
as pessoas que passam por dificuldades na sua relação com os filhos ou com os pais. É um livro que permite não só criar um
futuro mais harmonioso com as gerações vindouras, mas também sarar muitas das feridas com gerações anteriores. Ainda
este mês, O Médico Médium: Cérebro Saudável – O Diagnóstico, de Anthony William, serve como um guia para
compreender a sua condição mental e cerebral revelando o que está por trás de mais de 100 sintomas, doenças e
desordens mentais e neurológicas.
Já em Novembro, O Médico Médium, Cérebro Saudável – A Cura, também de Anthony William, oferece um caminho de
cura e recuperação com técnicas especializadas para restaurar a estabilidade do seu sistema nervoso e viver com mais
harmonia e segurança, através de protocolos e guias de detox e de nutrição cerebral. Zen – A História, os Ensinamentos e o
Legado, de Osho, em Novembro, nesta série de livros, «Pilares de Sabedoria», reflete acerca de quatro formas de percorrer
esse caminho: o budismo, o taoismo, o zen e o tantra. Eu Sou Porque Eles Foram, de Sara Larcher, um lançamento de
Novembro, mostra que quando nascemos não somos um livro em branco, antes de nós viveram milhares de antepassados
com as suas histórias e vivências, alegrias e dores. Mas isto não significa que estejamos presos a reviver as experiências e
legados dos nossos antepassados. Para finalizar o mês, O Médico da Humanidade e a Cura da Corrupção, de Augusto Cury,
sugere que todo o ser humano tem dentro de si vampiros mentais (orgulho, ira, inveja, ciúme, etc.) capazes de o asfixiar e
que se não forem travados acabarão por destruí-lo.
11x17
A 11x17, a coleção de livros de bolso mais bem-sucedida em Portugal, disponibiliza títulos de grandes autores de
reconhecimento nacional e internacional. Setembro começa com Ansiedade – Como Enfrentar o Mal do Século, de
Augusto Cury; Mrs Dalloway, de Virginia Woolf; e termina com o livro O Que Deus Disse, de Neale Donald Walsch.
O Inocente, de John Grisham; e O Poder Mágico do Jejum, de Yoshinori Nagumo, são os novos títulos em pequeno
formato do mês de Outubro, seguindo-se Elevação, de Stephen King; e Génese, de Robin Cook em Novembro

Ler mais sobre «Novidades do Grupo BertrandCírculo - Setembro»

Novidades D. Quixote - Setembro

O Monte do Silêncio
Francisco Camacho
Diogo vive atormentado por duas tragédias, uma na infância e outra na adolescência, numa família da alta burguesia reconstruída por um tio que cultiva o segredo e a mentira. Os traumas do passado empurram-no para uma existência desregrada e sem rumo, em que os problemas de memória e os sentimentos de culpa o afastam cada vez mais da verdade acerca de si próprio e daqueles que o rodeiam.
Até que, numa manhã de setembro em que o sol brilha intensamente mas um horizonte negro anuncia a tempestade, o cadáver de Norma, a afilhada do tio sobre a qual pouco se sabe, é encontrado no cenário majestoso da Praia do Eco.
Passado entre a Lisboa dos anos oitenta e os dias de hoje, em ambientes que ilustram um país feito de desigualdades e satirizam uma certa elite portuguesa ciosa das aparências, O Monte do Silêncio é um romance profundamente visual, com uma atmosfera de thriller psicológico e um enredo sinuoso.

Cidade da Vitória
Salman Rushdie
Na sequência de uma batalha menor entre dois reinos do Sul da Índia do século XIV, há muito esquecidos, uma rapariga de nove anos tem um encontro divino que irá alterar o curso da história. Depois de assistir à morte da mãe, Pampa Kampana, dominada pela dor, torna-se o veículo de uma deusa, que começa a falar pela boca da rapariga. Concedendo-lhe poderes que estão para lá da compreensão de Pampa Kampana, a deusa diz-lhe que ela será determinante no surgimento de uma grande cidade chamada Bisnaga – «a cidade da vitória» –, a maravilha do mundo.
Ao longo dos 250 anos subsequentes, a vida de Pampa Kampana virá a estar profundamente interligada à de Bisnaga, desde o literal lançamento à terra de um saco de sementes mágicas até à sua trágica destruição da mais humana das maneiras: a arrogância dos que detêm o poder. Conferindo existência a Bisnaga e aos seus cidadãos por meio de sussurros, Pampa Kampana tenta levar a cabo a tarefa que a deusa lhe confiou: dar igual representação às mulheres num mundo patriarcal. Mas todas as histórias têm tendência para fugir ao seu criador, e Bisnaga não é exceção.
Nas livrarias a 12 de Setembro


Zuckerman Libertado Philip Roth
Francisco Agarez
Com o sucesso estrondoso do seu romance Carnovsky, Nathan Zuckerman vê-se catapultado para a ribalta literária. Quando se aventura pelas ruas de Manhattan, vê-se cercado por todos os lados, alvo de admoestadores, conselheiros, aspirantes a críticos literários e – o pior de tudo – admiradores, que veem nele o sátiro ficcional de si próprio, Gilbert Carnovsky.
Celebridade incompetente, pouco à vontade com a sua fama recente e sem saber bem como poderá estar à altura da notoriedade da sua criação ficcional, Zuckerman debate-se desajeitadamente com um caso de grande visibilidade pública, a desintegração da sua vida familiar, e esquiva-se às atenções do mais persistente dos seus admiradores, enquanto a turbulenta década de sessenta se fecha gradualmente à sua volta. Em segundo plano da notoriedade embaraçosa estão os assassínios recentes de Robert Kennedy e Martin Luther King, Jr., e o intranquilo Zuckerman sente-se observado...

O Povo é Imortal
Vassili Grossman
Vassili Grossman era correspondente do Estrela Vermelha (jornal do exército soviético) quando escreveu O Povo é Imortal em dois meses, em 1942, para ser publicado em fascículos no jornal.
Este romance abrange um breve período no final do verão de 1941, quando a Rússia estava a sofrer pesadas perdas após a invasão das tropas alemãs em junho desse ano.
Grossman relatou a ação em primeira mão, e os seus conhecimentos transparecem nos pormenores que dá sobre a vida militar, a crueldade dos bombardeamentos, ou o impacto de uma ordem que proíbe a rendição ou a retirada.
A narrativa centra-se num grupo de tropas russas cercadas e nos seus esforços para romper as linhas
do inimigo. O soldado da linha da frente é representado pelo agricultor Ignátiev, alegre e corajoso. Mais acima na hierarquia está o ponderado e severo comissário de batalhão Bogariov, um antigo académico cuja leitura de textos militares clássicos o leva a questionar a estratégia oficial.
Este romance foi a contribuição de Grossman para o esforço de guerra. Mais importante ainda, lançou as bases para as vastas telas do autor sobre o tempo de

Lições de Grego
Han Kang
Esta é a história de um professor de Grego que está a perder a visão e de uma aluna que está a perder a voz. Ambos descobrem, porém, que existe uma dor ainda mais funda a uni-los: numa questão de meses, ela perdeu a mãe e a batalha pela custódia do filho; já ele ganhou o medo de perder a autonomia e o incómodo de, por ter crescido entre a Coreia do Sul e a Alemanha, estar sempre dividido entre duas culturas e duas línguas tão diferentes.
Lições de Grego fala de um homem e de uma mulher comuns que se conhecem num momento de angústia privada – a perspetiva da cegueira dele encontra-se com o silêncio dela. Mas são justamente estes handicaps que os atraem um para o outro, levando-os a encontrar uma saída da escuridão para a luz, do silêncio para a expressão.
Com uma estrutura em espiral e a sensibilidade a que Han Kang já nos habituou, o presente romance é como uma terna carta de amor à intimidade humana, um texto que desperta os nossos sentidos e reflete sobre a essência do que realmente significa estar vivo.


Glória
NoViolet Bulawayo
 Há muito tempo, numa terra abundante, os animais viviam felizes. . .
E então chegaram os colonizadores e, com eles, uma sangrenta guerra. Do caos, porém, surgiu uma nova esperança. Um cavalo carismático tomou as rédeas do poder. Governou durante quarenta anos com a ajuda do seu grupo de Eleitos. Até que um dia, enquanto se sentava para tomar um chá Earl Grey e ouvir o seu programa de rádio favorito, chegou um novo líder, um novo regime. E mais uma vez os animais se encheram de esperança.
Glória conta a história de um país fictício, preso num ciclo tão antigo quanto o tempo. No centro do tumulto está Destino, uma jovem cabra que regressa à sua terra natal para testemunhar a revolução. A chegada de Destino desencadeia uma sucessão de acontecimentos que lembra aos habitantes - e a nós - que a glória da tirania só dura enquanto as suas vítimas o permitem. E que essa história pode ser interrompida a qualquer momento.


Gabo e Mercedes - Uma Despedida
Rodrigo García
Em março de 2014, Gabriel García Márquez, um dos mais aclamados escritores do século XX, já velho e doente, apanhou uma constipação. «Desta não escapamos», disse Mercedes Barcha, a sua esposa de havia mais de cinquenta anos, a Rodrigo, um dos seus filhos.
Estas páginas são a crónica mais íntima e honesta dos últimos dias de um génio, escrita com a espantosa precisão e o justo distanciamento de uma testemunha de exceção: o próprio Rodrigo. Vemos assim o lado mais humano de uma personagem universal e da mulher na qual reparou quando eram ainda crianças, que o acompanhou toda a vida e que apenas lhe sobreviveu uns anos, entremeado com recordações de uma vida irrepetível. A mais bela despedida ao filho do telegrafista e à sua esposa.
Agridoce e perspicaz, comovente e poderoso, Gabo e Mercedes: Uma Despedida celebra o formidável legado dos pais de Rodrigo, oferecendo um olhar inédito sobre a vida familiar de um gigante literário. É, ao mesmo tempo, um presente para os leitores de Gabo e uma homenagem de um escritor que o conheceu bem.
Nas livrarias a 26 de Setembro

O Próximo És Tu
Arne Dahl
A vida do ex-inspetor Sam Berger ficou virada do avesso. É suspeito de assassínio e a sua colega Molly Blom, agente dos serviços secretos, encontra-se em coma.
Entretanto, uma ameaça terrorista paira sobre Estocolmo e um assassino procurado está em liberdade.
Berger foge para o arquipélago de Estocolmo, onde aguarda por ordens do chefe da Unidade de Inteligência da Polícia de Segurança da Suécia.
Mas será ele a solução ou parte do problema?

O Lenço da Mamã
Chimamanda Ngozi Adichie
Esta ode à simplicidade da vida, saída da pena de uma das autoras mais conceituadas da actualidade, com ilustrações de Joelle Avelino, deu origem a um livro infantil mas, na verdade, destina-se aos leitores de todas as idades.
Uma terna e poética homenagem às pequenas alegrias da vida em família.
Tão inesquecível como a memória de um dia perfeito.

Ler mais sobre «Novidades D. Quixote - Setembro»

Feira do Livro - Porto

Feira do Livro - Porto

Inauguração SEX 25 AGO, 17H
Curadoria: Jorge Sobrado e Rita Roque
Colaboração: Germano Silva e Helena Teixeira da Silva
A partir das memórias, epístolas e documentos de Germano Silva, mapeamos e contamos uma amizade de vida portuense, mais forte que a fraternidade, que juntou Manuel António Pina e Germano Silva, companheiros de armas feitas de palavras.

SEX 25 AGO - DOM 10 SET
CONCHA ACÚSTICA
EXPOSIÇÕES
INTERVENÇÃO MURAL - HOMENAGEM
COMO SE DESENHA UM SONHO
Leonor Violeta
Curadoria: Rita Roque
A casa como alicerce. Lugar onde se delineia e transforma o contorno do corpo. Onde as recordações se fragmentam, se acumulam, se distanciam, se reposicionam. Como se desenha um sonho?

Como se desenha uma casa
Primeiro abre-se a porta
por dentro sobre a tela imatura onde previamente
se escreveram palavras antigas: o cão, o jardim impresente,
a mãe para sempre morta.
Anoiteceu, apagamos a luz e, depois,
como uma foto que se guarda na carteira,
iluminam-se no quintal as flores da macieira
e, no papel de parede, agitam-se as recordações.
Protege-te delas, das recordações,
dos seus ócios, das suas conspirações;
usa cores morosas, tons mais-que-perfeitos:
o rosa para as lágrimas, o azul para os sonhos desfeitos.
Uma casa é as ruínas de uma casa,
uma coisa ameaçadora à espera de uma palavra;
desenha-a como quem embala um remorso,
com algum grau de abstracção e sem um plano rigoroso.

Manuel António Pina

SEX 25 AGO, 17H (DURAÇÃO: 45 MIN.)
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
SESSÕES DE CONTOS
CONTOS À SEXTA
Com Clara Haddad
Participação gratuita, sujeita à lotação do espaço
Para crianças maiores de 3 anos
Nos Contos à Sexta, vamos ouvir contos do Líbano, de Portugal, do Brasil, da França, do México, enfim, do mundo... A narradora dá voz e corpo a diferentes narrativas. Porquê à sexta? Porque há contos que à sexta ganham vida e nos fazem sonhar acordados por mundos imaginários, conhecer personagens fascinantes e viver aventuras incríveis. Porque à sexta tudo é possível. Porque à sexta a imaginação não tem limites.

SEX 25 AGO, 19H (DURAÇÃO: 70 MIN.)
CONCHA ACÚSTICA
CONCERTOS
DAR CORDA À PALAVRA: Mafalda Veiga
Geografia Particular é o novo espetáculo de Mafalda Veiga e o nome do próximo EP a editar em breve. Neste concerto, Mafalda Veiga percorre o seu repertório, com um alinhamento que inclui a maior parte dos singles que têm marcado 35 anos de carreira, assim como temas que já não tocava ao vivo há muitos anos e as canções inéditas que integrarão o novo EP e que têm sido calorosamente recebidas pelo público. O espetáculo desenrola-se em três partes, tendo o primeiro bloco de canções início com "Esta Canção", o mais recente single editado em fevereiro, interpretado por Mafalda Veiga a solo. Os músicos convidados, que integram a sua banda habitual, João Gil e António Vasconcelos Dias, juntam-se para a acompanhar, numa segunda parte, que inclui alguns novos inéditos e outras canções que o público entoa entusiasticamente. O concerto termina com Mafalda Veiga, de novo a solo, em comunhão com a plateia. A música tem o poder de transportar as pessoas para um lugar, uma latitude, um destino com temperatura, cheiro, sensações, outras pessoas, “esse” lugar onde ela foi (e continua a ser) a banda sonora de alguma coisa única, especial e inesquecível. Uma viagem que parte do processo de pegar nas suas guitarras e nas suas canções, escritas em rascunhos que nem sempre guardou, passa pela procura do “tom” de cada um dos lugares onde as escreveu e que o público guarda em cada lugar seu.

Onze projetos desafiantes, distintivos, sonoridades improváveis ao serviço da celebração da palavra. Palavra dita, palavra falada, muitas vezes sussurrada, palavra cantada, palavra inquisidora, resistindo ao silêncio, ao tempo, à ausência, à ignorância, à ignomínia, à opressão. Só a palavra transtorna.

SEX 25 AGO, 21H (DURAÇÃO 1H)
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
PERFORMANCES
NESTE PRECISO TEMPO, NESTE PRECISO LUGAR: Ruído Vário
Canções com Pessoa
Por Ana Deus e Luca Argel
Várias são as vozes do poeta, juntá-las às nossas no coro.
Ouvir o ruído que resulta, cantar sobre ele. Buscar, entre seus sons de relógios, sinos, da chuva e das mesas no café ao lado,
um hálito de música. Impregná-lo nas palavras de Pessoa.

Luca Argel e Ana Deus concebem e montam, pela primeira vez, o espetáculo Ruído Vário, em 2017. Desta parceria surgem 15 canções inéditas, escritas quase todas sobre textos do Fernando Pessoa ortónimo. Ao vivo, as vozes de Ana e Luca transformam e atualizam a importância do gênio de Pessoa, passando por diversas de suas facetas, da solenidade trágica ao escárnio humorístico, sempre acompanhados pela guitarra e por ruídos e imagens projetadas que nos introduzem na atmosfera de cada um dos poemas.

O título de um poema de Manuel António Pina, retirado do seu livro Nenhuma Palavra e Nenhuma Lembrança (1999), afervora este ciclo performativo composto por sete sessões especiais.

SÁB 26 AGO, 11H-13H E 15H-17H
LAGO DOS CAVALINHOS
PARA TODA A FAMÍLIA
MINI PORTO BELO
Mercado onde os mais novos podem vender e comprar, trocar, mostrar e dar tudo e mais alguma coisa.

SÁB 26 AGO, 11H (DURAÇÃO: 60 MIN.)
LAGO DOS CAVALINHOS
PARA TODA A FAMÍLIA
HERBÁRIO COMESTÍVEL
Por A Recoletora, com a herbalista Fernanda Botelho
Participação gratuita sujeita à lotação do espaço
Enquanto construímos o herbário de plantas silvestres comestíveis, sentimos os cheiros e as texturas, observamos as formas e as cores, e provamos os sabores únicos de cada uma delas. Com esta oficina vamos aprender a identificar a vegetação que se come e que nos cura e, sobretudo, vamos aprender a valorizá-la e a deixar de lhe chamar daninha!

SÁB 26 AGO, 11H30 (DURAÇÃO: 60 MIN.)
LAGO DOS CAVALINHOS
CONCERTOS
PORTA-JAZZ AO RELENTO: Themandus
Saxofone Alto, Ewi: Afonso Boucinha Silva
Bateria: Eduardo Carneiro Dias
Guitarra: Ricardo Alves
Voz-Off: Carlos Fonseca
Oficina Desenhar o Som: desenho a tinta-da-china
Assentes no ecletismo que o jazz sempre lhes proporcionou, Themandus percorre estéticas como drum'n'bass, ambient, eletrónica a fim de saciarem as suas necessidades musicais e, paralela ou paradoxalmente, as esfaimar. Em formato de trio – saxofone/EWI, bateria e guitarra – Afonso Boucinha Silva, Eduardo Carneiro Dias e Ricardo Alves exploram ideias composicionais que vão desde a música escrita à totalmente improvisada.

As manhãs de sábado são passadas ao ar livre com as sonoridades jazzísticas que, especialmente nesta edição, incluem uma componente lúdica dedicada às famílias. A oficina Desenhar o Som acompanha cada concerto e desafia os participantes a fazer uma representação visual a partir de uma apresentação musical ao vivo. De forma exploratória e sinestésica pretende-se unir música, escuta, perceção, reação e criação de imagens, tudo a decorrer ao mesmo tempo.

SÁB 26 AGO, 11H30 (DURAÇÃO: 50 MIN.)
TERREIRO DA BIBLIOTECA
SESSÕES DE CONTOS
CONTOS ERRANTES
Com Carlos Marques
Participação gratuita, sujeita à lotação do espaço
Para crianças maiores de 3 anos
Contos Errantes é uma atividade que convida miúdos e graúdos a viajar pelo mundo das histórias, que misturam realidade e fantasia, que exploram diferentes culturas e tradições, que provocam a imaginação e a curiosidade. Cada sessão é conduzida por contadores profissionais diferentes. Carlos Marques, Rodolfo Castro e Jorge Serafim partilham o olhar, a voz e a arte de contar. Três mestres da palavra para quem os contos são como pássaros livres, que voam por onde querem, cantam o que sentem e surpreendem no desfecho.

SÁB 26 AGO, 11H30 (DURAÇÃO: 45 MIN.)
BIBLIOTECA – SALA UNICER
PARA BEBÉS
CUCU! DÁ, DÁ! Concerto de Música
Com Frenesim
Participação gratuita sujeita à lotação do espaço
Para Bebés dos 18 aos 36 meses
O convite é para brincar ao som do ingrediente secreto que une sons, ritmos, movimentos, dança e cor. Momentos de exploração artística, onde as experiências sensoriais despertam os sentidos dos petizes e dos seus acompanhantes.

SÁB 26 AGO, 15H (DURAÇÃO 45 MIN)
AVENIDA DAS TÍLIAS
HOMENAGEM
CERIMÓNIA DE ATRIBUIÇÃO DA TÍLIA DE HOMENAGEM

SÁB 26 AGO, 16H (DURAÇÃO 30 MIN)
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
HOMENAGEM
COMUNICAÇÃO
A PRESENÇA DO MISTÉRIO
Por Rui Lage
Na poesia de Manuel António Pina, o que realmente importa não é o que se conhece, mas o que não se pode conhecer: “é o que falta que fala”. Essa falta revela-se na linguagem, nas palavras. É a presença do mistério. Mas “o Mistério não pode ser ocultado nem revelado”: está fechado nas palavras. Viagem por algumas singularidades poéticas do homenageado, da filosofia à ciência, da física à metafísica, ancoradas no quotidiano, na casa, na infância, no amor e na morte.

Rui Lage (Porto, 1975) é Deputado à Assembleia da República e membro da Assembleia Municipal do Porto. Doutorado em Literaturas e Culturas Românicas pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, foi investigador, formador, docente do ensino artístico, professor universitário e assessor no Parlamento Europeu. É autor de vários livros de poesia, ficção, ensaio e antologias. A sua obra literária foi distinguida com o Prémio Literário da Fundação Inês de Castro, o Prémio Ruy Belo, o Prémio Revelação Agustina Bessa-Luís e o Prémio Autores da SPA. É ainda autor de ficção infantojuvenil, e, com Jorge Reis-Sá, responsável pela antologia Poemas Portugueses: Antologia da Poesia Portuguesa do Séc. XIII ao Séc. XXI (Porto Editora, 2009). Traduziu obras de Paul Auster, Pablo Neruda, Samuel Beckett e Carl Sagan. A sua obra está traduzida em diversas línguas. Em 2022, publicou a segunda edição do ensaio A Presença do Mistério, uma introdução à poesia de Manuel António Pina (Editora Exclamação).

SÁB 26 AGO, 16H30 (DURAÇÃO 60 MIN)
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
HOMENAGEM
CONVERSA
FALA-SE DE MAIS NESTES TEMPOS (INCLUSIVE CALA-SE)
Com Sousa Dias, Germano Silva e Renato Soeiro
Seleção de crónicas: Rui Lage
Moderação: Helena Teixeira da Silva
Leituras: Joana Mesquita
O filósofo Sousa Dias, o jornalista e historiador Germano Silva e o ativista e publicista Renato Soeiro, velhos amigos do homenageado, conversam sobre a dimensão interventiva, cívica e política de Manuel António Pina, com moderação da jornalista e autora Helena Teixeira da Silva e a leitura de uma seleção de crónicas publicadas no Jornal de Notícias.


SÁB 26 AGO, 17H (DURAÇÃO 80 MIN.)
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
OFICINAS INFANTOJUVENIS
ENCONTROS COM OFICINA
MAS COMO É QUE NASCEM OS LIVROS? Por exemplo uma rosa
Com Madalena Matoso
Participação gratuita, sujeita à lotação do espaço
Para crianças a partir dos 6 anos
Podemos organizar as coisas do mundo de diferentes maneiras. Animais, minerais, vegetais… Coisas frias ou coisas quentes. Coisas visíveis e coisas invisíveis. Coisas minúsculas ou coisas gigantes. Coisas que existem e coisas que não existem. Coisas aquáticas, aéreas e terrestres... Nesta atividade, vamos fazer um livro com as nossas coleções de coisas. Criar as nossas categorias favoritas e escolher o que entra em cada coleção. A partir do livro Por exemplo, uma rosa, uma edição do Planeta Tangerina.

SÁB 26 AGO, 17H30 (DURAÇÃO 60 MIN)
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
HOMENAGEM
CONVERSA
PENSAR DE PERNAS PARA O AR É UMA GRANDE MANEIRA DE PENSAR
Com Pedro Eiras, Sara Reis da Silva e Álvaro Magalhães
Moderação: Francisco Topa
Na senda de A. A. Milne e Lewis Carol, desde o pioneiro O País das Pessoas de Pernas Para o Ar (1973) até à História do Sábio Fechado na Sua Biblioteca (2009), o autor fez implodir os estereótipos da nossa literatura infantojuvenil, virando-a de pernas para o ar e desbravando o caminho para uma nova geração de escritores. Conversa com passagem pelo seu único romance, Os Papéis de K.

26 AGO, 21H (DURAÇÃO 60MIN)
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CINEMA
MANUEL ANTÓNIO PINA E O CINEMA: Se a Memória existe (1999) + As Casas não Morrem (2014)
Conversa com Inês Fonseca Santos e João Botelho
Moderação: António M. Costa
Se a Memória Existe
João Botelho
Portugal (1999), 25min.

O 25 de Abril, 25 anos depois, visto por alguns dos seus principais protagonistas. Conta com a participação de Vasco Gonçalves, Otelo Saraiva de Carvalho, Matos Gomes e Sanches Osório. A história desenrola-se em volta de uma menina, a quem estes vão emprestar a memória de Abril.

As Casas Não Morrem
Inês Fonseca Santos e Pedro Macedo
Portugal (2014), 18min.

Há uma história muito bonita que o Manuel António Pina gostava de contar, ele que preferia regressar a partir; ele que repetia histórias como quem regressa a casa (…)
Disse-me, então, o Pina: "(...) o regresso a casa concreto, de uma viagem concreta, de um tempo concreto e de circunstâncias concretas, acaba por ter as formas que, em diferentes textos – penso eu, que também reflito sobre isso –, assumem esses sentimentos, o que é explicável talvez em termos ensaísticos ou lógicos ou psicológicos... Sei lá... Ou psicanalíticos ou o diabo que os carregue... São formas, só formas para o regresso concreto: chegar de avião a casa, começar a circular de avião aqui pelo Porto, aproximarmo-nos do aeroporto... Ainda por cima, os aviões passam aqui por cima da minha casa, desta casa, para aterrarem no aeroporto em Pedras Rubras. Vemos a casa lá em baixo, depois chegamos, entramos em casa e vemos os móveis, os animais reconhecem-nos, até os próprios móveis nos reconhecem... São formas de dizer a mesma coisa, formas que assume o regresso, em cada poema concreto ou em cada texto concreto, mesmo nas crónicas. No fundo, o que se quer dizer é: «Não te afastes de mais de ti». Só até usares metade das tuas forças para depois teres metade para regressar. E nunca te afastes assim tanto que deixes de ver a cor do teu telhado. Há um poema assim..."
Até onde me é dado saber isso, estou seguro de que o que escrevo há-de certamente ter (…) influências do cinema. Não só porque vejo muito cinema mas porque sou feito, mesmo se contrafeito, também de algum do cinema que vi (e se calhar até de todo o cinema que vi…) e porque julgo que escrevo justamente com essa matéria, a matéria de que sou feito. […] Algumas das mais fundas experiências minhas (algumas das assim chamadas minhas “circunstâncias”) aconteceram em salas de cinema.
Manuel António Pina

Apesar de apenas ter escrito dois poemas “inspirados” em filmes, parafraseando Pessoa, a poesia de Pina “pensa e sente por imagens”. O olhar e os reflexos, a luz e a sombra, a memória, o movimento, a montagem criam uma espécie de “consanguinidade e familiaridade” da sua poesia com o cinema. E depois há as crónicas, magníficas, onde Pina muitas vezes falava dos filmes de que, citando Borges, “era feito”.

DOM 27 AGO, 11H30 (DURAÇÃO: 50 MIN.)
TERREIRO DA BIBLIOTECA
SESSÕES DE CONTOS
CONTOS ERRANTES
Com Carlos Marques
Participação gratuita, sujeita à lotação do espaço
Para crianças maiores de 3 anos
Contos Errantes é uma atividade que convida miúdos e graúdos a viajar pelo mundo das histórias, que misturam realidade e fantasia, que exploram diferentes culturas e tradições, que provocam a imaginação e a curiosidade. Cada sessão é conduzida por contadores profissionais diferentes. Carlos Marques, Rodolfo Castro e Jorge Serafim partilham o olhar, a voz e a arte de contar. Três mestres da palavra para quem os contos são como pássaros livres, que voam por onde querem, cantam o que sentem e surpreendem no desfecho.

DOM 27 AGO, 11H30 (DURAÇÃO: 45 MIN.)
BIBLIOTECA – SALA UNICER
PARA BEBÉS
CUCU! DÁ, DÁ! Concerto de Música
Com Frenesim
Participação gratuita sujeita à lotação do espaço
Para Bebés dos 18 aos 36 meses
O convite é para brincar ao som do ingrediente secreto que une sons, ritmos, movimentos, dança e cor. Momentos de exploração artística, onde as experiências sensoriais despertam os sentidos dos petizes e dos seus acompanhantes.

DOM 27 AGO, 15H (DURAÇÃO 60 MIN)
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
HOMENAGEM
CINEMA
Um sítio onde pousar a cabeça (2011)
Autor: Alberto Serra
Realizador: Ricardo Espírito Santo
Neste documentário, Manuel António Pina revela-se na primeira pessoa, com testemunhos de amigos, familiares e especialistas da sua obra. Desvenda-se o "universo Pina" através de uma narrativa audiovisual que abarca a poesia, crónica, a literatura para crianças e o teatro.

DOM 27 AGO, 16H (DURAÇÃO ATÉ 120 MIN.)
BIBLIOCARRO – JARDIM DO PALÁCIO DE CRISTAL
OFICINAS INFANTOJUVENIS
OFICINAS
LER COM OS OUVIDOS, ESCREVER COM DESENHOS
Com Mariana, A Miserável
Participação gratuita, sujeita à lotação do espaço
Para crianças a partir dos 6 anos
Vamos construir uma égua imaginada. Após a leitura do conto Égua Branca de Eugénio de Andrade, imaginando um final alternativo para a história, no qual cada um dos participantes seria escolhido para ser o tutor da égua, o exercício será idealizar como seria ela e dar-lhe vida através do desenho e construção em papel recortado.

DOM 27 AGO, 16H (DURAÇÃO ATÉ 120 MIN.)
BIBLIOCARRO – JARDIM DO PALÁCIO DE CRISTAL
OFICINAS INFANTOJUVENIS
OFICINAS
LER COM OS OUVIDOS, ESCREVER COM DESENHOS
Com Mariana, A Miserável
Participação gratuita, sujeita à lotação do espaço
Para crianças a partir dos 6 anos
Vamos construir uma égua imaginada. Após a leitura do conto Égua Branca de Eugénio de Andrade, imaginando um final alternativo para a história, no qual cada um dos participantes seria escolhido para ser o tutor da égua, o exercício será idealizar como seria ela e dar-lhe vida através do desenho e construção em papel recortado.

DOM 27 AGO, 16H30 (DURAÇÃO 60 MIN)
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
HOMENAGEM
CONVERSA
COMO TEATRO PARA ADULTOS, MAS MELHOR
Com João Luiz, Maria João Reynaud e João Botelho
Moderação: Suzana Ralha
A aventura iniciada com O Maior Intelectual do Mundo (1978), “em tempos propícios aos sonhos”, frutificou no mais inovador conjunto de peças teatrais para o público infantojuvenil do nosso país, todas elas escritas para o Teatro do Pé de Vento, de João Luiz e Maria João Reynaud. Conversa com a dupla e com o realizador João Botelho, autor do grafismo e das ilustrações dos primeiros livros de Pina, moderada por Suzana Ralha, diretora do grupo Os Gambozinos, outro fruto de uma colaboração com o homenageado.


DOM 27 AGO, 17H (DURAÇÃO: 50 MIN.)
BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
PARA TODA A FAMÍLIA
O PÁSSARO DA CABEÇA
Pelo Teatro Pé de Vento
Participação gratuita sujeita à lotação do espaço
Um poema é uma coisa sem importância.
R. Queneau
Como se fosse possível voltar atrás no tempo… Talvez isso possa acontecer levando agora à cena alguns dos primeiros textos que Manuel António Pina escreveu para o Pé de Vento, logo no início da parceria com a Pé de Vento e que deram origem a O Pássaro da Cabeça (1983), um dos mais belos livros que o poeta nos deixou.

DOM 27 AGO, 17H30
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
HOMENAGEM
Conversa
PORQUÊ A POESIA E NÃO OUTRA COISA QUALQUER?
Com Rosa Maria Martelo, António Guerreiro e Rita Basílio
Seleção de poemas: Rui Lage
Moderação: Inês Fonseca Santos
Leituras: Mariana Guarda
Da desconfiança do real a uma “metafísica do quotidiano”, dos impasses pós-modernistas à sabedoria pré-moderna, da melancolia doméstica às “grandes questões”, a obra poética do homenageado permanece um objeto à parte na poesia portuguesa dos últimos cinquenta anos. Não gerou epígonos nem deixou descendência. Poetas, ensaístas e investigadores conversam sobre “o mistério da poesia” de Manuel António Pina.


DOM 27 AGO, 19H (DURAÇÃO: 70 MIN.)
CONCHA ACÚSTICA
CONCERTOS
DAR CORDA À PALAVRA: Ruge
É mais recente projeto de Rodrigo Guedes de Carvalho com Daniela Onís e Ruben Alves. Um encontro de poesia e música no cruzamento entre a palavra escrita, cantada e falada. RUGE é um espectáculo sobre o amor e tudo em volta. É sobre paixão e revolta. Nasceu da paixão pelas palavras, que se juntaram em frases. Depois cresceram e tornaram-se uma urgência para ser dita e escutada. O microfone colocou-se junto ao coração. Depois veio a música e deram as mãos. Há dramas e desabafos, e riso mal escondido nas ironias. Sem nenhum medo de mostrar emoções, RUGE é uma narrativa de poemas e canções sobre todos nós.

Onze projetos desafiantes, distintivos, sonoridades improváveis ao serviço da celebração da palavra. Palavra dita, palavra falada, muitas vezes sussurrada, palavra cantada, palavra inquisidora, resistindo ao silêncio, ao tempo, à ausência, à ignorância, à ignomínia, à opressão. Só a palavra transtorna.

DOM 27 AGO, 21H (DURAÇÃO 2H)
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CINEMA
MANUEL ANTÓNIO PINA E O CINEMA: Pedro O Louco (1965)
Apresentação por António M. Costa
Pedro O Louco
Jean-Luc Godard
França/Itália (1965), 1h45min

No dia em que Ferdinand perde o emprego reencontra Marianne, uma jovem que um dia amou. Cansado da sua existência, decide recomeçar a sua vida com ela. Mas a viagem romântica, depressa se torna numa trama de paixão, perseguição e violência.

Até onde me é dado saber isso, estou seguro de que o que escrevo há-de certamente ter (…) influências do cinema. Não só porque vejo muito cinema mas porque sou feito, mesmo se contrafeito, também de algum do cinema que vi (e se calhar até de todo o cinema que vi…) e porque julgo que escrevo justamente com essa matéria, a matéria de que sou feito. […] Algumas das mais fundas experiências minhas (algumas das assim chamadas minhas “circunstâncias”) aconteceram em salas de cinema.
Manuel António Pina
Apesar de apenas ter escrito dois poemas “inspirados” em filmes, parafraseando Pessoa, a poesia de Pina “pensa e sente por imagens”. O olhar e os reflexos, a luz e a sombra, a memória, o movimento, a montagem criam uma espécie de “consanguinidade e familiaridade” da sua poesia com o cinema. E depois há as crónicas, magníficas, onde Pina muitas vezes falava dos filmes de que, citando Borges, “era feito”.

SEG 28 AGO, 15H (DURAÇÃO 50 MIN)
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CONVERSAS
TODA A BIOGRAFIA É UM ROMANCE: Manuel António Pina
Por Álvaro Magalhães
Moderação: Rui Couceiro

Uma epígrafe de Mário Cláudio serve de motor a este ciclo de conversas estimuladas pelo editor e escritor Rui Couceiro. Os convidados falarão sobre as biografias de Manuel António Pina, Luiz Pacheco, Mota Pinto, Fernando Pessoa, Herberto Helder, Natália Correia e Manoel de Oliveira, das quais são autores.

SEG 28 AGO, 17H (DURAÇÃO: 40 MIN.)
BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
SESSÕES DE CONTOS
CONTOS CRIATIVOS: O dia em que me tornei um pássaro, de Ingrid Chabbert, Guridi
Com Helena Vieira, Mónica Santos e Verónica Magalhães
Participação gratuita, sujeita à lotação do espaço
Experiências de escuta para crianças maiores de 3 anos
Será verdade que ganhamos asas quando nos apaixonamos? O que é estar apaixonado?

SEG 28 AGO, 18H (DURAÇÃO 50 MIN)
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
PERFORMANCES
Leitura Encenada
NESTE PRECISO TEMPO, NESTE PRECISO LUGAR: O homem e a sombra
Autor: Jaime Rocha
Leitura: Paulo Campos dos Reis
Nós nunca pertencemos a sítio nenhum, somos seres de passagem. Nessa situação de passagem há algo que fica, nem que seja uma sombra, e precisamos desesperadamente dessa sombra. Quando não a temos naturalmente, temos de a construir.
Manuel António Pina

SEG 28 AGO, 21H (DURAÇÃO 2H)
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CINEMA
MANUEL ANTÓNIO PINA E O CINEMA: O Atalante (1934)
Apresentação por António M. Costa
O Atalante
Jean Vigo
França (1934), 1h28min

A história de Jean (Jean Dasté), o capitão da barcaça O Atalante, e de Juliette (Dita Parlo). Os dois casam-se e Juliette vai viver para o barco de Jean. Algum tempo depois, Juliette começa a dar alguns sinais de cansaço, por viver enclausurada e cercada
pelas águas do rio. Quando chegam a Paris, Juliette decide dar uma escapadela à cidade, para conhecer a vida noturna. Furioso, Jean resolve partir sem ela, mas as saudades levam-no à depressão. É então que o excêntrico Pai Jules (Michel Simon), um amigo de Jean que também vive no barco, regressa a Paris para tentar encontrar Juliette.

Até onde me é dado saber isso, estou seguro de que o que escrevo há-de certamente ter (…) influências do cinema. Não só porque vejo muito cinema mas porque sou feito, mesmo se contrafeito, também de algum do cinema que vi (e se calhar até de todo o cinema que vi…) e porque julgo que escrevo justamente com essa matéria, a matéria de que sou feito. […] Algumas das mais fundas experiências minhas (algumas das assim chamadas minhas “circunstâncias”) aconteceram em salas de cinema.
Manuel António Pina

Apesar de apenas ter escrito dois poemas “inspirados” em filmes, parafraseando Pessoa, a poesia de Pina “pensa e sente por imagens”. O olhar e os reflexos, a luz e a sombra, a memória, o movimento, a montagem criam uma espécie de “consanguinidade e familiaridade” da sua poesia com o cinema. E depois há as crónicas, magníficas, onde Pina muitas vezes falava dos filmes de que, citando Borges, “era feito”.

TER 29 AGO A QUI 31 AGO, 14H30 (DURAÇÃO: 3H)
BIBLIOTECA – SALA UNICER
OFICINAS INFANTOJUVENIS
LABORATÓRIO DE CINEMA DE ANIMAÇÃO
A POESIA É UMA ANIMAÇÃO
Com Anilupa
Participação gratuita, mediante inscrição (12 participantes)
ATIVIDADE ESGOTADA
Para maiores de 10 anos
Nesta oficina, os participantes terão a oportunidade de realizar um pequeno filme de carácter experimental, com o objetivo de construir uma narrativa que permita ir ao encontro do imaginário poético de António Pina e, ao mesmo tempo, seja um pretexto para a exploração de várias técnicas plásticas e de animação de imagem.

O Anilupa é um estúdio de cinema de animação criado em 1990 pela Associação de Ludotecas do Porto. Este estúdio tem como principal objetivo, criar oportunidades a pessoas não profissionais de cinema, como crianças, jovens e adultos, na realização de filmes em técnica de cinema de animação.

TER 29 A QUI 31 AGO, 15H (DURAÇÃO: 2H)
CAPELA DE CARLOS ALBERTO
OFICINAS INFANTOJUVENIS
OFICINA DE ESCRITA CRIATIVA
ESCREVER TAMBÉM SE TREINA: Poesia
Com Inês Morão Dias
Participação gratuita, mediante inscrição (12 participantes)
Inscrição através de formulário disponível AQUI
Para maiores de 12 anos
A escrita pode ser entendida como uma matéria plástica, que se pode exercitar e moldar, e a poesia como um espaço de experimentação. Nos três dias da oficina, a partir de leituras e de exercícios práticos, pretende-se explorar: o uso da imagem na imaginação; o som e a sonoridade como forma; a experiência do espaço pelo texto; e a possibilidade de simular posições e modos de olhar.

SEG 29 AGO, 15H (DURAÇÃO 50 MIN)
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CONVERSAS
TODA A BIOGRAFIA É UM ROMANCE: Luiz Pacheco, Mota Pinto, Fernando Pessoa, Herberto Helder
Por João Pedro George


TER 29 AGO, 15H (DURAÇÃO: 1H40)
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
OFICINAS INFANTOJUVENIS
OFICINAS DE CRIAÇÃO NARRATIVA E POÉTICA SÓ COM IMAGENS
ILUSTRAR É ILUMINAR
Com Mafalda Milhões
Participação gratuita, sujeita a inscrição / 15 participantes
Para crianças a partir dos 6 anos
Inscrição através de formulário disponível AQUI
A ilustração de Mafalda Milhões expressa bem a sua personalidade e ideias. É uma ilustradora de causas. As suas imagens são de quem mastiga palavras e lê o mundo. Para ela ler também é ouvir, ser, estar e sentir.

TER 29 AGO, 17H (DURAÇÃO: 40 MIN.)
BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
SESSÕES DE CONTOS
CONTOS CRIATIVOS: O país das pessoas de pernas para o ar, de Manuel António Pina
Participação gratuita, sujeita à lotação do espaço
Experiências de escuta para crianças maiores de 3 anos
E se, de repente, tivesses de comer com os pés e caminhar com as mãos?

TER 29 AGO, 18H (DURAÇÃO 40 MIN)
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
HUMOR
O LENTO E INCENDIÁRIO CAMINHO DO HUMOR: Nem a Poesia Morre Nem a Gente Janta

Por Rui Spranger, Isaque Ferreira e Renato Filipe Cardoso
O Colectivo RIR apresenta um novo espetáculo de stand-up poetry, percorrendo, numa viagem fantasmagórica, poemas e textos de autores que nem morrem nem saem de cima. Uma espécie de clube dos poemas mortos, que nos recordam que devemos viver cada dia como se fosse o último, porque eventualmente acabamos por acertar no dia. Venerável público, a morte fica-vos bem, sobretudo com gargalhadas de caixão à cova e sem paz à vossa alma. Vai ser de morrer a RIR.

A poesia autêntica não poderia escapar à ação do humor que é, na definição de Breton, “o princípio da subversão da linguagem”, uma “revolta superior do espírito”. O humor questiona a própria legitimidade do mundo. O subtil humor em muitos momentos da obra de Manuel António Pina inflama esta série de quatro apresentações improváveis e contundentes.
Poesia e comédia em pé. E, depois disto tudo, um hálito a eternidade.

TER 29 AGO, 21H (DURAÇÃO 2H)
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CINEMA
MANUEL ANTÓNIO PINA E O CINEMA: A sombra e o caçador (1955)
Apresentação por António M. Costa
A Sombra do Caçador
Charles Laughton
EUA (1955), 1h33min

“ (…) o ameaçador perfil de Robert Mitchum a cavalo, recortado contra o céu; o rio turbando-se de súbito ante a presença próxima do Mal; Lillian Gish protegendo as crianças com a grande espingarda e a sua pequenina voz cantando na noite contra o medo…” [Manuel António Pina]

Até onde me é dado saber isso, estou seguro de que o que escrevo há-de certamente ter (…) influências do cinema. Não só porque vejo muito cinema mas porque sou feito, mesmo se contrafeito, também de algum do cinema que vi (e se calhar até de todo o cinema que vi…) e porque julgo que escrevo justamente com essa matéria, a matéria de que sou feito. […] Algumas das mais fundas experiências minhas (algumas das assim chamadas minhas “circunstâncias”) aconteceram em salas de cinema.
Manuel António Pina
Apesar de apenas ter escrito dois poemas “inspirados” em filmes, parafraseando Pessoa, a poesia de Pina “pensa e sente por imagens”. O olhar e os reflexos, a luz e a sombra, a memória, o movimento, a montagem criam uma espécie de “consanguinidade e familiaridade” da sua poesia com o cinema. E depois há as crónicas, magníficas, onde Pina muitas vezes falava dos filmes de que, citando Borges, “era feito”.

QUA 30 AGO, 15H (DURAÇÃO: 1H30)
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
OFICINAS INFANTOJUVENIS
OFICINAS DE CRIAÇÃO NARRATIVA E POÉTICA SÓ COM IMAGENS
ILUSTRAR É ILUMINAR
Com Constança Araújo Amador
Participação gratuita, sujeita a inscrição / 15 participantes
Para crianças a partir dos 6 anos
Inscrição através de formulário disponível AQUI
A ilustradora desenvolve a sua prática artística entre o desenho e a pintura, Expõe desde 2006 e desenvolve o seu trabalho de ilustração para livros, jornais e revistas, montras e murais, a partir da sua relação com a Natureza e da Poesia Contemporânea Portuguesa, onde nos leva numa viagem da palavra à mancha de aguarela.

QUA 30 AGO, 15H (DURAÇÃO 50 MIN)
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CONVERSAS
TODA A BIOGRAFIA É UM ROMANCE: Natália Correia
Por Filipa Martins

Uma epígrafe de Mário Cláudio serve de motor a este ciclo de conversas estimuladas pelo editor e escritor Rui Couceiro. Os convidados falarão sobre as biografias de Manuel António Pina, Luiz Pacheco, Mota Pinto, Fernando Pessoa, Herberto Helder, Natália Correia e Manoel de Oliveira, das quais são autores.

QUA 30 AGO, 17H (DURAÇÃO: 40 MIN.)
BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
SESSÕES DE CONTOS
CONTOS CRIATIVOS: Eu vou cuidar de ti, de Maria Loretta Giraldo e Nicoletta Bertelle
Participação gratuita, sujeita à lotação do espaço
Experiências de escuta para crianças maiores de 3 anos
Cuidas de mim e eu cuido de ti… Descobre o que pode acontecer se cuidares de uma pequena semente.

QUA 30 AGO, 18H (DURAÇÃO 30 MIN)
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
PERFORMANCES
NESTE PRECISO TEMPO, NESTE PRECISO LUGAR: E Hoje, é um Esquilo?
Por Sónia Baptista
E hoje, é um esquilo? nasceu como uma conferência/performance num contexto académico de reflexão sobre a prática artística como investigação filosófica e poética e vice-versa.
Três ações comuns, Ler, Caminhar e Escrever, transformam-se em atos poéticos com alicerces na história pessoal e na memória de um passado mais recente mas com ecos de um reviver proustiano.

O título de um poema de Manuel António Pina, retirado do seu livro Nenhuma Palavra e Nenhuma Lembrança (1999), afervora este ciclo performativo composto por sete sessões especiais.

QUA 30 AGO, 19H (DURAÇÃO: 70 MIN.)
CONCHA ACÚSTICA
CONCERTOS
DAR CORDA À PALAVRA: Yosune
É uma cantautora venezuelana residente em Portugal editou o seu primeiro single em nome próprio intitulado Azul em 2021 pela Seivabruta.org. Compõe com o seu Cuatro (instrumento tradicional Venezuelano) e incorpora na sua música tons e sonoridades sul americanas e folk music. Yosune já actuou em espaços como o Coliseu do Porto/Quintas de Leitura, no âmbitos das celebrações do 90º aniversário do Rivoli, festival Artes à Vila, Castelo de Porto de Mós e Ourém, Theatro Circo, Casa Cultura Setúbal, teatro municipal da Guarda, entre outras salas míticas. Tem vindo a apresentar seu novo trabalho, ‘Madre Tierra’, ao vivo, onde conta e canta histórias inspiradas na música latino-americana, no folk e na canção de autor.

Onze projetos desafiantes, distintivos, sonoridades improváveis ao serviço da celebração da palavra. Palavra dita, palavra falada, muitas vezes sussurrada, palavra cantada, palavra inquisidora, resistindo ao silêncio, ao tempo, à ausência, à ignorância, à ignomínia, à opressão. Só a palavra transtorna.

QUA 30 AGO, 21H (DURAÇÃO 45 MIN)
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
HUMOR
O LENTO E INCENDIÁRIO CAMINHO DO HUMOR: Uma grande Fantochada - Luísa Todi e Napoleão, uma tragédia em teatro de fantoches

Por Hugo van der Ding
Depois da mais bem-sucedida carreira internacional de uma artista portuguesa — que a levou de Setúbal a Paris, de Paris a Turim e de Turim à corte de Catarina a Grande da Rússia — a cantora lírica Luísa Todi, rica e famosa, volta à pátria, instalando-se na cidade do Porto. Bem que se lixou, à grande e à francesa. Apanhada nas malhas das invasões de Napoleão, perdeu tudo quanto em termos tão vagarosos e largos alcançou. E só não perdeu a cabeça porque a tinha agarrada ao corpo, como já lhe vaticinava a mãe desde miúda. É esta trágica sorte do rouxinol de Setúbal que Hugo van der Ding recria num teatro musicado de fantoches.

A poesia autêntica não poderia escapar à ação do humor que é, na definição de Breton, “o princípio da subversão da linguagem”, uma “revolta superior do espírito”. O humor questiona a própria legitimidade do mundo. O subtil humor em muitos momentos da obra de Manuel António Pina inflama esta série de quatro apresentações improváveis e contundentes.
Poesia e comédia em pé. E, depois disto tudo, um hálito a eternidade.

QUI 31 AGO, 15H (DURAÇÃO 50 MIN)
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CONVERSAS
TODA A BIOGRAFIA É UM ROMANCE: Manoel de Oliveira
Por Paulo José Miranda
Paulo José Miranda licenciou-se em Filosofia. Em 1999, e já a residir em Istambul, na Turquia, tornou-se também o primeiro vencedor do Prémio José Saramago, com a novela Natureza Morta. Mais tarde, viveu também em Macau e no Brasil, escrevendo poesia, ficção, teatro e ensaio. Em 2015, recebeu o Prémio Autores, da Sociedade Portuguesa de Autores, pelo livro de poesia Exercícios de Humano, e regressou a Portugal, começando pouco depois a trabalhar na biografia de Manoel de Oliveira, A Morte não É Prioritária.
Uma epígrafe de Mário Cláudio serve de motor a este ciclo de conversas estimuladas pelo editor e escritor Rui Couceiro. Os convidados falarão sobre as biografias de Manuel António Pina, Luiz Pacheco, Mota Pinto, Fernando Pessoa, Herberto Helder, Natália Correia e Manoel de Oliveira, das quais são autores.

QUI 31 AGO, 15H (DURAÇÃO: 1H30)
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
OFICINAS INFANTOJUVENIS
OFICINAS DE CRIAÇÃO NARRATIVA E POÉTICA SÓ COM IMAGENS
ILUSTRAR É ILUMINAR
Com Mafalda Milhões
Participação gratuita, sujeita a inscrição / 15 participantes
Para crianças a partir dos 6 anos
Inscrição através de formulário disponível AQUI
A ilustração de Mafalda Milhões expressa bem a sua personalidade e ideias. É uma ilustradora de causas. As suas imagens são de quem mastiga palavras e lê o mundo. Para ela ler também é ouvir, ser, estar e sentir.

QUI 31 AGO, 15H30
LAGO DOS CAVALINHOS
CONVERSAS
APRESENTAÇÃO DE PROJETO
PORTO LITERÁRIO
Por Rui Moreira e Cristina Soares
O projeto Porto Literário é uma iniciativa do jornal PÚBLICO, com o apoio e acompanhamento técnico do Museu e Bibliotecas Municipais do Porto, que tem por objetivo produzir e distribuir uma coleção de conteúdos e roteiros dedicados à cultura literária do Porto, através de um mapeamento e storytelling local dos seus principais autores e obras, das suas casas, topónimos, estatuária e locais emblemáticos, assim como de alfarrabistas, livrarias e cafés literários, contribuindo para a valorização do património literário do Porto e para um reforço do seu posicionamento cultural e artístico de marketing territorial.

QUI 31 AGO, 16H30 (DURAÇÃO 45 MIN)
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CONVERSAS
TERRIVELMENTE TEIMO EM ADORAR A LIBERDADE LIVRE: Afonso Cruz
Moderação: Inês Fonseca Santos
É escritor, ilustrador, cineasta e músico da banda The Soaked Lamb. Frequentou lugares como a António Arroio, as Belas-Artes de Lisboa, o Instituto Superior de Artes Plásticas da Madeira e mais de meia centena de países. Recebeu vários prémios e distinções nas diversas áreas em que trabalha, vive no campo e gosta de cerveja. Os seus livros estão publicados em vários países.

Uma afirmação-sangue de Rimbaud ilumina este ciclo de conversas com fulgentes artífices da palavra. Autores de gerações diferentes falam sobre a sua obra, as suas referências literárias, o sabor do texto, a chama da escrita, o perfume exótico da palavra. Conversas inflamadas pela escritora e jornalista Inês Fonseca Santos.

QUI 31 AG, 16H30 (DURAÇÃO 30 MIN)
CONCHA ACÚSTICA
RECITAIS DE POESIA
ECOS DA BIBLIOTECA SONORA
Leituras: Cecília Monção, Clara Cunha, Conceição Sousa, Gabriela Cunha, Helena Lopes, Isabel Perry, Joana Barbedo, José Manuel Carvalho, Maria de Fátima Candeias, Maria Dolores Costa, Maria Filomena Santos, Maria João Coutinho, Mónica Pinto, Paula Abrunhosa, Pedro Baranita, Rosário Sottomayor, Rui Carreira e Sara Silva
Coordenação: Nuno Preto, Colectivo Espaço Invisível
Momentos performativos a partir de leituras de Agustina, Eugénio, Junqueiro e Pina, realizadas por voluntários e utentes da Biblioteca Sonora.

QUI 31 AGO (DURAÇÃO 30 MIN)
SALA DE MULTIMÉDIA DA BIBLIOTECA
CONVERSAS
A VOZ COMO LETRA
Com Joana Barbedo e Cecília Monção
Moderação: Marta Bernardes
Conversas com os voluntários e utentes da Biblioteca Sonora do Porto, em torno da experiência da leitura para ser ouvida e da escuta dos livros.

QUI 31 AGO, 17H (DURAÇÃO: 40 MIN.)
BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
SESSÕES DE CONTOS
CONTOS CRIATIVOS: O bando, de Gemma Koomen
Participação gratuita, sujeita à lotação do espaço
Experiências de escuta para crianças maiores de 3 anos
Hoje, vamos conhecer uma guardiã das árvores, entrar no seu esconderijo secreto e partir numa aventura pelo mundo da amizade. Queres, também tu, ser um guardião de árvores?

QUI 31 AGO, 18H (DURAÇÃO 45 MIN)
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
APRESENTAÇÃO DE EDIÇÕES
A POESIA É FEITA CONTRA TODOS: Lila Tiago
Moderação: Teresa Coutinho
Canta e faz as letras do Fado Bicha, um projeto musical ativista que criou com João Caçador. Subvertendo a regra heteronormativa presente no fado tradicional, a sua intervenção foca-se na representatividade da comunidade LGBTI e estende-se a temáticas como o colonialismo, racismo, feminismo e os direitos dos animais.

“A poesia é feita contra todos, e por um só; de cada vez, um e só.” O título de um artigo de Herberto Helder, escrito em 1974 na folheca cultural q.b. “& etc”, será o ponto de partida para quatro conversas fulminantes com destacadas figuras da cultura portuguesa. Conversas impulsionadas por Teresa Coutinho, atriz, dramaturga e coordenadora do projeto Clube dos Poetas Vivos.

QUI 31 AGO, 21H (DURAÇÃO 40 MIN)
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
HUMOR
POESIA DE ENTRETENIMENTO CIENTÍFICO
O LENTO E INCENDIÁRIO CAMINHO DO HUMOR: Salada de Trutas
Por O CoPo (Paulo Condessa e Nuno Moura)
2 poetas, 2 bocas, 4 braços e outras tantas pernas, a dizer poemas em coro sincronizado, contornando os incontornáveis Cesarinys, Adílias, Pinas, e outras trutas do mesmo calibre. É muita truta, senhores! E senhoras, claro.

A poesia autêntica não poderia escapar à ação do humor que é, na definição de Breton, “o princípio da subversão da linguagem”, uma “revolta superior do espírito”. O humor questiona a própria legitimidade do mundo. O subtil humor em muitos momentos da obra de Manuel António Pina inflama esta série de quatro apresentações improváveis e contundentes.
Poesia e comédia em pé. E, depois disto tudo, um hálito a eternidade.

SEX 01 SET, 15H (DURAÇÃO: 1H30)
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
OFICINAS INFANTOJUVENIS
OFICINAS DE CRIAÇÃO NARRATIVA E POÉTICA SÓ COM IMAGENS
ILUSTRAR É ILUMINAR
Com Constança Araújo Amador
Participação gratuita, sujeita a inscrição / 15 participantes
Para crianças a partir dos 6 anos
Inscriç&ati

Ler mais sobre «Feira do Livro - Porto»

Faça o login na sua conta do Portal