loading gif
Loading...

O Homem Sem Qualidades



Sinopse

Esta é uma obra singular e única no panorama da ficção do século XX.
Mais do que um romance, O Homem sem Qualidades é o maior projecto romanesco, deliberada e quase necessariamente inconcluso e inconclusivo, da literatura do século passado. Um rio sem limites nem margens, que não desagua em nenhum mar conhecido, objecto inclassificável, para lá do "literário" e da ficção.
No momento da morte inesperada de Musil em 15 de Abril de 1942, no exílio de Genebra, O Homem sem Qualidades é verdadeiramente o "livro por vir", aquele cuja essência - no seu protagonista acentrado, no processo da sua génese, no cerne do seu pensamento - é a de um laboratório de possibilidades que o transformarão na obra aberta por excelência e na "tarefa criadora [mais] desmedida" da história da literatura moderna. O Homem sem Qualidades será, durante mais de duas décadas, a obra em processo de criação e transformação que se autonomiza e se impõe de forma obsessiva e implacável ao próprio criador, aprendiz de feiticeiro que a controla cada vez menos à medida que ela se vai transformando numa rede rizomática de possibilidades de crescimento e de perspectivas de finalização sempre adiada, que parece querer reflectir o próprio feixe aleatório de possibilidades que é aquilo a que chamamos "realidade". Se a ironia é neste livro, como diz Blanchot, "um dom poético e um princípio de método" que modula, não apenas a palavra mas também a própria composição romanesca, na oposição contrapontística permanente e irresolvida entre "a exactidão e a alma", a reflexão e os sentimentos, o indivíduo em busca de si e o mundo dos factos (nas vésperas da Primeira Grande Guerra), essa mesma ironia haveria de determinar todo o acidentado e contraditório processo de génese e de publicação deste objecto literário esquivo que, ao contrario do que frequentemente se tem dito, será mais um não-romance do que um anti-romance.

Críticas ao livro " O Homem Sem Qualidades "

Fonte: Luís Miguel Queirós, Público
«Um romance radicalmente experimental escrito numa linguagem clássica, traduzido pela primeira vez em português numa versão não amputada.»

Fonte: Enrique Vila-Matas, Público
«Esta gigantesca obra inconcluída de Musil pode ser vista como o primeiro grande romance do nosso século XXI.»

Fonte: Gonçalo M. Tavares, Público
« "O Homem Sem Qualidades" instala-nos nessa outra forma de percorrer o tempo que, eventualmente, nos pode fazer esquecer a morte.»

Comentários


A mostrar os últimos 20 comentários:

Outros livros de Robert Musil

Voltar

Faça o login na sua conta do Portal